Dia de Finados é marcado por campanha de combate à dengue em Brasília

Agência Brasil

BRASÍLIA - Cerca de 800 mil pessoas deverão passar pelos seis cemitérios da cidade até o fim deste feriado. No Campo da Esperança, o mais movimentado do Distrito Federal (DF), desde sexta-feira, 300 mil pessoas já foram visitar amigos e parentes.

De acordo com o assessor de Assuntos Funerários da Secretaria de Justiça e Cidadania do DF, coronel Edson Soares Lima, a estimativa de público é feita de acordo com a quantidade de túmulos.

- Nós observamos que, após os três primeiros anos de morte, as visitas caem muito. Após dez anos, muitos túmulos não recebem mais visita. Esses visitantes são então substituídos pelos novos, o que torna o movimento constante ao longo dos anos - explicou o coronel.

Como o grande movimento de visitantes provocado pela data de hoje é propício para campanhas de divulgação, agentes da fiscalização ambiental estão distribuindo panfletos sobre o combate à dengue na entrada dos cemitérios. O objetivo é orientar os visitantes a jogar no lixo as embalagens plásticas que envolvem os vasos de plantas e colocar areia nos pratinhos que os acompanham para evitar água parada.

Segundo o agente de fiscalização ambiental Abenair Lima, os cemitérios têm sido fonte de preocupação das autoridades por causa da concentração de focos do mosquito da dengue nas plantas e objetos deixados pelos visitantes em cima dos túmulos.

- Além de estarmos no período chuvoso, esses vasinhos trazidos pelas pessoas são focos do mosquito. Hoje o cemitério é preocupante porque é um local com alto índice de reprodução e infecção dos mosquitos em função do grande número de vasinhos - disse Lima.

Os funcionários dos cemitérios também estão sendo orientados a fazer o controle de focos do mosquito ao longo do ano.