Fitoterápicos: instituições científicas de ponta estudam plantas

Fernanda Prates, Jornal do Brasil

RIO DE JANEIRO - A apropriação de plantas e ervas para fins medicinais remete aos primórdios da humanidade. E, até hoje, tomamos chás e extratos cujos poderes foram descobertos há séculos por nossos antepassados. Os medicamentos vegetais, no entanto, há muito ultrapassaram a condição de chazinhos e, cada vez mais, o conhecimento tradicional vem sendo aliado à pesquisa científica por pesquisadores que compreendem que ciência e natureza andam juntas na preservação da saúde.

Muita gente pensa que fitoterapia é só o chazinho da vovó . Também é, mas não é apenas isso afirma Glauco Villas Bôas, pesquisador e coordenador do Núcleo do Gestão em Biodiversidade e Saúde de Farmanguinhos. A planta medicinal é remédio mesmo, e químicos, farmacólogos e antropólogos vêm se unindo para buscar conhecimentos tradicionais.

Levando-se em consideração que 80% da população mundial utiliza medicamentos de origem vegetal e que, segundo Villas Bôas, cerca de 3/5 dos produtos medicinais colocados no mercado têm origem biológica, não há mais como duvidar do poder desse tipo de medicamento. Prova disso é o fato de que uma das maiores referências em medicina do país, o Instituto de Tecnologia em Fármacos (Farmanguinhos), da Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz), um laboratório farmacêutico de renome mundial, vêm realizando diversas iniciativas em pesquisa e desenvolvimento de fitoterápicos, sendo pioneiro na área de desenvolvimento de produtos naturais.

Da mesma maneira, essa capacidade de gerar riquezas e permitir produtos inovadores não passou desapercebida pelos cientistas e empresas farmacêuticas que, cada vez mais, vêm buscando aliar desenvolvimento científico com conhecimentos tradicionais de povos locais para explorar novas possibilidades:

O Ministério da Saúde e as grandes corporações já perceberam a potencialidade dos fitomedicamentos em um país com a biodiversidade do Brasil afirma Valério Morelli, engenheiro agrônomo e pesquisador da Farmanguinhos. Em lugares como a Amazônia, por exemplo, você vê empresas realizando pesquisas de levantamento de dados entre índios e comunidades locais.

E a ideia de que medicamentos fitoterápicos são menos científicos do que os remédios sintéticos os chamados alopáticos - vem sendo lentamente derrubada pela ciência. Segundo Villas Bôas, produtos de origem vegetal já estão se tornando líderes dentro do mercado, com grande aceitação de uma outrora relutante classe médica:

Os problemas com os fitomedicamentos eram a credibilidade e o embasamento científico e tecnológico insuficientes explica Villas Bôas No entanto, essa relutância some a partir do momento em que produto passa por essas etapas de pesquisa e tem sua eficácia comprovada.

O trabalho científico, aliás, entra em ação logo nas primeiras fases da produção de um fitomedicamento. As plantas passam por um período de estudo e adaptação para obtenção de substâncias necessárias para a produção de um medicamento. Descobertas em seu ambiente natural, essas plantas são levadas para um local mais controlado, no qual os cientistas devem garantir que estejam padronizadas e que ainda sejam capazes de produzir as substâncias desejadas:

Para estabelecer um padrão químico, pegamos a planta, enviamos para o laboratório e lá é feita sua impressão digital , ou seja, descobrimos quais substâncias existem nela e em que concentração explica o agrônomo Morelli. Também precisamos garantir que elas continuem produzindo as substâncias depois de retiradas de seu ambiente natural.