Software prova que Shakespeare teve ajuda para escrever peça

Portal Terra

AMSTERDAM - Um software criado pela Universidade de Maastricht, na Holanda, para descobrir plágios de estudantes acabou servindo para demonstrar que Shakespeare escreveu a peça "Eduardo III" com a ajuda de outro dramaturgo da sua época.

Na opinião de Brian Vickers, especialista da obra de Shakespeare da Universidade de Londres, a comparação de frases utilizadas em "Eduardo III" com as de outras obras do início da carreira do autor comprova a colaboração de Thomas Kyd, um dos dramaturgos mais populares da época.

O professor britânico utilizou o software chamado "[email protected]" para comparar a obra, publicada em 1596, quando Shakespeare tinha 32 anos, com outras do mesmo período.

O software identifica frases de três ou mais palavras no texto de um determinado autor e procura textos parecidos sem autoria confiável. Em obras de diferentes autores, podem ser encontradas até vinte frases parecidas, já que existem muitas frases de uso comum.

No entanto, quando "Eduardo III" foi comparada com outras obras anteriores a 1596, foram descobertas até 200 palavras combinadas. Estas frases eram provenientes de quatro cenas, que equivalem a cerca de 40% da obra.

No resto das cenas foram identificadas frases típicas de outras obras de Kyd, famoso por "A Tragédia Espanhola", obra conhecida pela influência recebida de Shakespeare.

A sugestão de que Shakespeare é coautor de "Edward III" tem sido debatida há mais de um século, mas só recentemente começou a receber credibilidade.

Em 1997, este trabalho foi incluído na edição conhecida como "The Riverside Shakespeare" e também faz parte da edição "Obras Completas" publicada pela Universidade de Oxford.

Alguns estudiosos se recusam a acreditar que um gênio como Shakespeare teria colaborado com outros dramaturgos, mesmo no início de sua carreira.

Mas Brian Vickers não tem dúvidas. "Quando se encontram 200 palavras combinadas, pode se ter certeza. Todo mundo pode ver que algumas cenas de "Eduardo III" são muito shakespearianas, mas ninguém entendia porque existiam versos que definitivamente não eram seus. Existe uma grande diferença de qualidade entre os dois autores", concluiu.