Gripe suína impulsiona procura por vacina contra gripe comum

Portal Terra

RIO - A vacinação contra a gripe sazonal (comum) teve um crescimento significativo neste ano nas clínicas particulares de todo o país. No Rio de Janeiro, houve um incremento de 400% em junho em relação ao mesmo período do ano passado. No Rio Grande do Sul, foi registrado aumento de até 300% no mês de julho. Também no mês de julho, São Paulo teve crescimento de 104%. Essa tendência, segundo especialistas, está relacionada ao fato de a gripe suína estar em evidência nos meio de comunicação. De acordo com eles, a maioria das pessoas que busca a vacina tem consciência de que ela não protege contra a gripe suína.

De acordo com a médica Isabella Ballalai, vice-presidente da Associação Brasileira de Imunizações e diretora médica da Vaccini, rede de clínicas de vacinação no Rio de Janeiro, a vacina contra a gripe comum nesse período de pandemia da gripe suína ajuda a reduzir a circulação do vírus sazonal e ajuda na diferenciação do diagnóstico.

- Estamos vivendo um grande congestionamento na saúde - as emergências públicas e privadas estão cheias e, com isso, estão circulando dois vírus: o sazonal e o pandêmico. Estima-se que menos de 25% dessas pessoas que vão até os pronto-atendimentos estejam com gripe suína. A maioria está com gripe sazonal, com resfriado ou com outras manifestações respiratórias. E só tem vacina contra a gripe sazonal - diz a médica.

A indicação do Ministério da Saúde referente à vacina contra o influenza sazonal é vacinar a população de 60 anos e mais, que são pessoas mais vulneráveis às complicações por gripe. Para definir esses grupos, são observados critérios epidemiológicos e estudos científicos. Segundo o órgão, "não existe nenhum estudo científico que corrobore a orientação mencionada".