Gripe Suína: diferenças

Jornal do Brasil

RIO - Qual a diferença entre a gripe comum e a Influenza A (H1N1)?

Elas são causadas por diferentes subtipos do vírus influenza. Os sintomas são parecidos e se confundem: febre repentina, tosse, dor de cabeça, dores musculares, dores nas articulações e coriza. Não importa saber se o que se tem é gripe comum ou a nova gripe. Ao ter alguns desses sintomas, procure assistência médica. Na gripe comum, a maioria dos casos apresenta quadro clínico leve e quase 100% evoluem para a cura. Isso também ocorre na nova gripe. Em ambos os casos, o total de pessoas que morrem após contraírem o vírus em todo o mundo é, em média, de 0,5%.

Por que o exame laboratorial parou de ser realizado em todos os casos suspeitos?

A mudança ocorreu porque um percentual significativo das amostras de casos suspeitos analisadas em laboratórios de referência não era da nova gripe, mas de outros vírus respiratórios. Com o aumento do número de casos no país, a prioridade do sistema público de saúde é detectar e tratar com a máxima agilidade os casos graves e evitar mortes.

Se o exame não é realizado em todas as pessoas, isso significa que o número de casos registrados será subnotificado?

Vários países estão adotando a mesma prática, por recomendação da Organização Mundial da Saúde. Vamos continuar a registrar o número de casos. Como já ocorre com surtos de gripe comum, vamos confirmar uma amostra de casos e todos os outros que tiverem os mesmos sintomas e no mesmo ambiente serão confirmados por vínculo epidemiológico. Além disso, temos no Brasil 62 unidades em todos os estados, para monitorar a circulação do vírus e ocorrência de surtos. Com o aumento no número de casos, passamos a trabalhar com o diagnóstico coletivo, exceto para os que podem desenvolver a forma grave da doença, seja gripe comum ou gripe A.

Quais os critérios de utilização para o Tamiflu?

Apenas os pacientes com agravamento do estado de saúde nas primeiras 48 horas e as pessoas com maior risco de apresentar quadro clínico grave serão medicados com o Tamiflu. O objetivo é evitar o uso desnecessário e uma possível resistência ao medicamento. Esse grupo de risco é composto por: idosos acima de 60 anos, crianças menores de dois anos, gestantes, pessoas com diabetes, doença cardíaca, pulmonar ou renal crônica, deficiência imunológica (como pacientes com câncer, em tratamento para AIDS), e também pessoas com doenças provocadas por alterações da hemoglobina, como anemia falciforme.

Como eu posso me prevenir da doença?

Alguns cuidados de higiene podem ser tomados: lavar bem as mãos, evitar tocar os olhos, boca e nariz após contato com superfícies, não compartilhar objetos de uso pessoal e cobrir a boca e o nariz com lenço descartável ao tossir ou espirrar.