Pesquisador defende aproximação entre ciência e indústria

Luana Lourenço , Agência Brasil

MANAUS - O professor Fernando Galembeck, do Instituto de Química da Universidade Estadual de Campinas (Unicamp), defendeu nesta quarta-feira a aproximação entre ciência e indústria.

- Não dá para pensar em pesquisa científica desvinculada do contexto - afirmou Galembeck em debate durante a 61ª Reunião Anual da Sociedade Brasileira para o Progresso da Ciência (SBPC).

Segundo Galembek, que desenvolve pesquisas aplicadas para a indústria química, as universidades, as empresas e os governos perdem oportunidades por falta de parcerias e de estratégias para desenvolvimento e inovação.

O pesquisador acredita que o investimento em pesquisa aplicada deve ser prioridade nos planos de desenvolvimento de ciência e tecnologia. Para ele, a conexão entre instituições de pesquisa e a indústria poderia tornar o país mais competitivo e desenvolver áreas em que ainda há dependência de outros países, como fármacos, equipamentos para telecomunicações e tecnologias da informação.

- Existe a ideia de que a ciência não tem a aprender com as empresas, a ideia de que o fluxo é academia-atividade industrial. E não é bem assim. É um caminho de duas mãos - argumentou.

De acordo com o pesquisador, muitas vezes, boas ideias surgem de problemas práticos encontrados nas empresas, e não na leitura de papers [artigos científicos] .

Galembeck acredita que o Brasil pode liderar a transição global para uma era do pós-petróleo , mas ressalta que é necessário definir com clareza onde se quer investir conhecimento e recursos.

- Muito dinheiro, discursos e boa-vontade não criam realidades sem bons planos e estratégias - argumentou.