Chile tem 21 mortes causadas pela gripe suína

Agência ANSA

SANTIAGO - Subiu para 21 o número oficial de mortes causadas pela gripe A (H1N1) no Chile, nação mais afetada pela doença na América do Sul, com mais de 8.000 casos. Especialistas indicam, porém, que meio milhão de pessoas podem ter sido infectadas.

Dois novos óbitos foram registrados, de um homem e uma mulher, no porto de San Antonio, a 100 quilômetros de Santiago, e em Tomé, a 500 quilômetros da capital, respectivamente.

O ministro da Saúde, Alvaro Erazo, informou que as hospitalizações de adultos em consequência de problemas respiratórios aumentaram 20% em apenas uma semana. Entre as crianças, por outro lado, houve baixa.

Já o presidente da associação Médicos de Atendimento Primário, Camilo Bass, considerou que o número de pessoas contaminadas pelo vírus influenza A pode ultrapassar 500 mil.

"Não temos um número total de casos, mas levando em conta a quantidade de antivirais entregues de forma gratuita em consultórios e hospitais e o nível de sobrecarga nestes locais, estimamos ter superado os 500 mil casos", disse o especialista.

O presidente do Colégio Médico, Pablo Rodríguez, afirmou que "o mais provável é que todas as pessoas que trabalham nos serviços de saúde deverão contrair" a nova gripe em algum momento.