Cultura Inglesa de Botafogo suspende aulas por causa de gripe suína

João Paulo Aquino, Jornal do Brasil

RIO DE JANEIRO - Sete turmas da escola de idiomas Cultura Inglesa, na Rua São Clemente, em Botafogo, foram dispensadas das aulas nesta quinta-feira. A suspensão (para as turmas de terça e quinta-feira) vai durar uma semana, porque dois alunos do Colégio Santo Inácio, contaminados pelo vírus, frequentavam o curso de inglês. O Santo Inácio, onde os jovens estudavam, suspendeu as aulas dos cerca de 5 mil alunos na quarta-feira. Três funcionários que tiveram contato com os estudantes estão em casa, de quarentena.

O secretário municipal de Saúde, Hans Dohmann, disse que não há motivos para alarde e se declarou contra a interrupção das aulas.

Se há um caso confirmado, quem teve contato com aquela criança deve se manter em quarentena domiciliar. Mas não há qualquer necessidade de fechar as portas e interromper as atividades das escolas ponderou Hans Dohmann, que acredita na ocorrência de um aumento do número de casos por causa do inverno.

Já o presidente do Sindicato dos Estabelecimentos de Ensino (Sinepe-Rio), Edgar Flexa Ribeiro, diverge e se coloca favorável ao fechamento das escolas. Edgar defende a suspensão das aulas por se tratar de medida preventiva.

Nós lidamos com crianças de idades diferentes e reações de organismos diferentes. Essas crianças convivem em salas de aula e se misturam nos horários de recreio. Diante do risco de se espalhar uma doença, o melhor é suspender as aulas pelo tempo necessário argumentou.

São Vicente de Paulo

Os colégios da Zona Sul do Rio estão em alerta para a doença. No Colégio São Vicente de Paulo, no Cosme Velho, os alunos que frequentaram aulas de matemática com uma professora de matemática que também leciona no Santo Inácio demonstraram apreensão, mas foram tranquilizados pela coordenação da escola, com a informação de que a educadora não apresenta qualquer sintoma da gripe suína e não está sob suspeita.

No Colégio São Bento, no Centro, os funcionários estão atentos para identificar alunos com possíveis sintomas de gripe suína.

Acompanhamos todas as crianças que tenham vindo do exterior conta a supervisora pedagógica do São Bento, Maria Elisa Penna. Só tivemos dois alunos que foram encaminhados para uma equipe médica aqui mesmo no colégio, mas foi descartada a possibilidade de gripe suína.

A Escola Parque, na Gávea, teve um aluno do 9º ano do ensino fundamental infectado pela gripe suína, mas as aulas foram mantidas. Apenas os que tiveram contato direto com o estudante contaminado ficaram isolados e não compareceram à escola. A festa junina do colégio foi cancelada para evitar aglomerações.

A fotógrafa Márcia Moreira, mãe de uma aluna do São Vicente de Paulo, disse estar atenta para o risco de a filha ser contaminada:

A gente fica preocupada com os filhos. Logo quando começou a doença, a coordenação enviou um comunicado sobre os sintomas e pediu para que avisássemos o colégio caso a criança apresentasse alguma suspeita. Isso é fundamental.

A estudante Marina Figueiredo, 16 anos, estuda no 1º ano do ensino médio do São Vicente acha que a gripe suína vai se alastrar:

Eu tenho uma amiga que viajou para a Disney. Uma amiga dela, que estava junto, está com gripe suína, mas continua vindo normalmente à aula relata.