Preservativo faz parte do universo de geração que vive o medo do HIV

João Pequeno, Jornal do Brasil

RIO DE JANEIRO - Números do Ministério da Saúde que mostram uso mais frequente de preservativo nas relações sexuais pelos jovens refletem, entre outros fatores, o mundo em que cresceram, com informação constante sobre o vírus HIV. Ao todo, 32,7% dos entrevistados de 15 a 24 anos disseram ter usado camisinha em todas as relações sexuais nos últimos 12 meses, contra 17,2% de 25 a 49 anos e 10,5% de 50 a 64. Mas fatores como relacionamentos fixos ainda motivam o sexo desprotegido.

A Aids despontava nas preocupações mundiais por volta de 1984, ano em que nasceu a estudante de museologia Beatriz Albuquerque. Aos 25 anos, completados em abril, ela ainda estava na faixa mais jovem analisada pelo ministério quando teve a relação sexual mais recente, com seu ex.

O rompimento, além do namoro, acabou com a confiança estabelecida em dois anos de relação que a levaram a abrir mão da camisinha algumas vezes.

Com o tempo, a gente forma uma confiança que acaba junto com o namoro. Aí, todos os medos vêm de uma vez só lembra Beatriz, que fez teste de HIV e deu tudo certo . Também temi engravidar, mesmo tomando pílula acrescenta.

Além da Aids, Beatriz pensa em outras doenças, mais comentadas recentemente, segundo ela.

Minha geração mudou. Antigamente, só se falava em HIV; hoje, acho que as mulheres já estão mais conscientes sobre outros riscos, como o HPV (vírus que aumenta o risco de câncer) avalia.

Há 10 anos, a estudante de museologia tinha aula de educação sexual na escola, mas aprendeu mesmo sobre prevenção com as amigas e as mães das amigas.

Era normal ouvir que a filha de fulano teve neném . A gente via adolescentes de 15, 16 anos, como nós, engravidando e sentia que precisava se proteger.

Uma conhecida, que engravidou aos 16, serviu de exemplo do que Beatriz não queria para si:

Ela acabou saindo do ciclo de amizades, porque nunca podia sair para os mesmos lugares, além de ter se atrasado nos estudos lembra.

Para o programador de internet Rodrigo Sousa, 23, usar preservativo virou um hábito tão grande, que já não consigo me comportar de outra forma . Foi assim desde a primeira vez, aos 16 anos, quando, para driblar a clássica dificuldade de homens inexperientes com a camisinha, treinou antes.

Praticava sozinho antes de usar para valer lembra Rodrigo, assumindo que esse reflexo condicionado entre sexo e preservativo também pode falhar.

Fiquei com uma menina numa festa e não tinha nenhuma camisinha, nem condição de sair para comprar, lá na Barra da Tijuca, onde tudo é longe. Depois (da relação sexual), veio o medo. Quem está acostumado a se sentir seguro, protegido, como eu, quando não está, acaba ficando muito mais grilado diz Rodrigo que, por via das dúvidas, fez teste de HIV ( Tudo OK ) e passou a sempre levar camisinha para casos de situações similares.

A pesquisa também apontou que 10,3% dos homens fizeram sexo nos últimos 12 meses com pessoas que conheceram na internet mais que o dobro das mulheres (4,1%), diferença que traduz um fenômeno comum entre os gays.

R.F., que em salas de bate-papo usa o pseudônimo Bochecha Marrom, diz que na internet rola de tudo, inclusive homens casados, que querem ser passivos e que é muito objetivo .

Eu marco com o cara e, se um gostar do outro, vamos logo para o motel resume, ponderando que se previne. Só rola se ele usar preservativo.

Colaborou Camilla Lopes