Intel diz que multa da UE não levará a corte de dividendo

REUTERS

WASHINGTON - A Intel, maior fabricante mundial de chips, informou que a multa recorde de 1,06 bilhão de euros (1,5 bilhão de dólares) imposta pelos reguladores da União Europeia por violações antitruste não levará a empresa a cortar investimentos ou dividendos.

- Ainda há uma abundância de fluxo de caixa de nossas operações para investirmos em nossos negócios, pagarmos a multa e o dividendo - afirmou a diretora financeira da empresa, Stacy Smith, em um evento com analistas nesta quarta-feira.

Smith apresentou um slide a analistas indicando que a empresa vai gerar mais de 10 bilhões de dólares em caixa em 2009, valor estável, se não uma pequena queda, em relação a 2008.

A Intel tratou ainda das preocupações de analistas de que o aumento nas vendas de seu processador de baixo custo "Atom", usado em netbooks, vai canibalizar margens antigamente altas de 50 a 60 por cento.

- Há uma grande preocupação sobre o potencial da mistura Atom porque é um produto com preço de compra mais baixo, mas também é um produto de custo mais baixo - disse Smith. - E esse custo realmente nos permite promovê-lo sem ter um efeito adverso na margem de vendas total do negócio.

A canibalização das vendas de laptops pelos netbooks mais baratos está atualmente em cerca de 20 por cento, "menos do que o especulado", afirmou o diretor de vendas da empresa na Europa, Christian Morales, à Reuters durante o evento.