Soyuz levará mais astronautas à Estação Espacial

Jornal do Brasil

CAZAQUISTÃO - A nave espacial russa Soyuz decola nesta quarta-feira de manhã rumo à Estação Espacial Internacional. Ela vai levar a bordo três astronautas que vão conviver durante seis meses com outros três que já estão na estação. O objetivo principal da missão é verificar por quanto tempo um grande número de pessoas pode viver bem no confinamento de uma nave espacial, visando a planejar viagens mais longas de exploração do espaço.

O que faremos nos próximos meses será uma preparação para a exploração espacial diz o astronauta belga Frank De Winne, um dos que partem hoje rumo ao espaço.

Ele viajará com outros dois astronautas: o canadense Bob Thirsk e o russo Roman Romanenko. Os novos moradores da estação espacial vão dividir o espaço com o russo Gennady Padalka, o americano Michael Barratt e o japonês Koichi Wakata, que atualmente ocupam a base.

A estação espacial cuja sigla é ISS, em inglês foi expandida nos últimos meses para acomodar mais astronautas. Foi desenvolvido um sistema de reciclagem da urina, essencial para duplicar a capacidade de hospedagem da ISS. A máquina permite reciclar 6,8 toneladas de água potável por ano.

Segundo a Nasa, que também participa do projeto da ISS, o objetivo é que no futuro a Estação Espacial Internacional abrigue até 13 pessoas a bordo.

A Soyuz será lançada da base de Baikonur, no Cazaquistão. A previsão é que ela se se acople à plataforma espacial cerca de dois dias depois do lançamento.

A missão vai durar 180 dias, durante os quais os astronautas receberão naves de carga, realizarão caminhadas espaciais e desencaixarão e voltarão a acoplar a Soyuz de um módulo a outro da estação orbital. Ao contrário das mais recentes missões que partiram de Baikonur, nenhum turista espacial vai estar a bordo da nave Soyuz.