Serviço de dados vai liderar telecomunicações latino-americanas

Tomás Sarmiento, REUTERS

CIDADE DO MÉXICO - 3G, VPN, VoIP? Não estamos falando de palavras cruzadas, mas de algumas das tecnologias de banda larga e acesso a dados que dentro de alguns anos serão a sustentação das empresas de telecomunicações da América Latina.

Algumas das maiores operadoras de telefonia latino-americanas, fixas e móveis, hoje têm em mira esse setor, depois de anos de dedicação à expansão da cobertura da telefonia móvel e da obtenção de mais minutos de chamadas.

Agora, quando países como a Argentina já têm mais de 100 por cento de penetração de celulares e os aparelhos de acesso à Internet se tornaram mais variados e mais baratos, o objetivo é gerar tráfego de dados com serviços mais avançados.

A América Móvil, gigante regional da telefonia móvel controlada pelo magnata mexicano Carlos Slim, acredita que dentro de dois ou três anos o acesso móvel à Internet responderá por um quarto de seu faturamento.

Carlos García-Moreno, o diretor de finanças do grupo, declarou no Reuters Latin American Investment Summit, na semana passada, que em uma região onde menos de 5 por cento dos moradores têm conexões em banda larga, as possibilidades de crescimento são enormes.

- O crescimento total nos serviços de dados foi de quase 50 por cento, no primeiro trimestre, ante o mesmo período em 2008 - disse García-Moreno.

A empresa mexicana, que em 2008 investiu forte para implementar sua rede de telefonia móvel de terceira geração (3G), para oferecer serviços de alta velocidade, está vendendo computadores portáteis para acesso à Internet, conhecidos como netbooks, no Brasil, e tem acordo com a Apple para vender o popular iPhone. No Brasil, a companhia opera sob a marca Claro.

A Telefónica, da Espanha, segunda maior operadora móvel na região, disse à Reuters que um dos serviços de mais rápido crescimento é a Internet móvil.

A empresa anunciou nesta quarta-feira um ganho líquido de 142 mil assinantes de banda larga na América Latina no primeiro trimestre, graças à "consolidação do crescimento no Brasil, ao crescimento sustentado na Argentina e à aposta sustentada na massificação de nossos serviços na Colômbia", segundo a empresa.