Nova técnica determina agressividade de câncer

Jornal do Brasil

AMSTERDÃ - Uma nova técnica ajuda médicos a identificarem se um câncer de próstata é ou não agressivo, o que facilita o tratamento da doença. Cientistas holandeses, liderados por Jonas Nilsson, do centro médico da universidade VU de Amsterdã, publicaram a descoberta na edição de ontem do British Journal of Cancer Research: a chave do diagnóstico é analisar pequenas borbulhas de gordura que viajam na urina. Nelas estão contidas informações que provêm diretamente do tumor.

Estas microvesículas, chamadas exossomas, são encontradas na urina tanto de pessoas que sofrem de câncer como de indivíduos saudáveis. A diferença está na quantidade. Acredita-se que elas são excretadas em maior número por algumas células cancerígenas.

Os exossomas contêm moléculas de ácido ribonucléico (RNA) que procedem do tumor e através das quais é possível determinar quais genes estão ativos em cada caso de câncer. É a dica para diferenciar um tumor agressivo do latente.

Até agora, os especialistas usavam como referência níveis de proteínas produzidas por células cancerosas, como antígenos específicos da próstata. O novo enfoque é analisar o RNA envolvido na produção de proteínas.

- O RNA derivado do tumor se preserva nos exossomas e nos permite ver a genética do câncer de cada indivíduo - disse Nilsson.