Estudo afirma que divagação pode estimular o cérebro

Agência AFP

WASHINGTON - Este estudo, publicado na revista científica americana Proceedings of the National Academy of Sciences, mostra que uma mente sonhadora aumenta a atividade de várias regiões do cérebro.

O mais intrigante é que as partes do cérebro que permitem resolver problemas complexos apresentam uma atividade intensa quando uma pessoa pensa vagamente. Até hoje, no entanto, acreditava-se que elas ficavam em repouso, explicou à AFP a professora Kalina Christoff, especialista em cérebro e principal autora do estudo.

O trabalho, realizado com imagens obtidas por ressonância magnética (IRM), leva a crer também que "viajar" favorece mais a atividade do cérebro do que quando uma pessoa se concentra para executar uma tarefa rotineira, acrescentou Christoff, que é diretora do Laboratório de Ciências Neurológicas da Universidade da Columbia Britânica (UBC), no oeste canadense.

- As pessoas que sonham acordadas não são talvez tão concentradas quando executam uma tarefa, mas elas exigem mais recursos de seu cérebro - declarou.

O estudo, segundo ela, fará com que mais pessoas revejam seus conceitos.

- Nós fomos criados com a ideia de que divagar não é uma boa coisa, quando é totalmente o contrário - acrescentou.

O ser humano gasta normalmente um terço de seu tempo com a mente vagando enquanto está acordado.

- É uma grande parte de nossas vidas, mas isso foi amplamente ignorado pela Ciência.