Calorias são mais vilãs que preguiça

Jornal do Brasil

EUROPA - O debate sobre o que mais contribui para a epidemia de obesidade pode ter chegado ao fim. Uma pesquisa apresentada recentemente no Congresso Europeu de Obesidade afirma que a ingestão excessiva de alimentos é realmente mais prejudicial para a saúde humana do que o sedentarismo.

O trabalho, desenvolvido por um grupo internacional desde a década de 70, inovou ao examinar a questão das contribuições proporcionais à epidemia de obesidade nos Estados Unidos combinando relações metabólicas e dados epidemiológicos e agrícolas, entre outros.

Há muitas sugestões de que tanto a redução da atividade física como o aumento na ingestão de calorias têm sido os principais vetores da obesidade. Mas, até agora, ninguém havia proposto como quantificar as contribuições relativas desses dois pontos disse Boyd Swinburn, diretor do Centro de Prevenção da Obesidade da Universidade Deakin, na Austrália, órgão que atua junto à Organização Mundial de Saúde. O novo estudo demonstra que o ganho de peso na população norte-americana parece ser explicado totalmente pela ingestão de mais calorias. Aparentemente, as mudanças nas frequências de atividades físicas têm um papel mínimo.

Cálculo

Os pesquisadores examinaram inicialmente 1.399 adultos e 963 crianças para determinar quantas calorias seus corpos queimam no total, em circunstâncias normais. Após obterem as taxas de queima de calorias de cada um dos voluntários, Swinburn e colegas calcularam quanto os adultos precisam comer de modo a que mantenham um peso estável e quanto as crianças necessitam para que estejam em uma curva de crescimento normal.

Em seguida, foi feita a análise de quanto os norte-americanos comem, por meio de dados nacionais da disponibilidade de comida a quantidade de alimento produzida e importada menos o total exportado, desperdiçado e usado em animais ou em outras situações desde os anos 70.

A ideia era estimar qual seria o peso aproximado 30 anos depois levando em conta apenas a ingestão de alimentos. Para isso, também usaram dados de outro estudo nacional sobre o peso médio dos habitantes dos EUA.

Se o aumento de peso real se mostrasse o mesmo que a estimativa havia apontado, isso implicaria que a ingestão de alimentos era a responsável. Se isso não ocorresse, significaria que mudanças na atividade física também tiveram papel importante disse Swinburn.

Os resultados mostraram que, em crianças, o peso estimado e o real eram exatamente o mesmo, indicando que o consumo calórico sozinho poderia explicar o aumento de peso médio observado no período.