OMS faz alerta contra transmissão da gripe em hospitais

REUTERS

GENEBRA - A Organização Mundial da Saúde recomendou nesta quinta-feira atenção redobrada ao novo vírus da gripe suína, com o monitoramento de casos suspeitos e cuidados para que profissionais da saúde não espalhem a doença.

Médicos e demais funcionários de hospitais devem usar máscaras e luvas e lavar as mãos com frequência, de modo a reduzir o risco de contágio entre eles e para os pacientes, disse a agência da ONU em um novo boletim de orientação sobre a doença.

- Todos os países devem ativar imediatamente seus planos de preparação para pandemias. Os países devem ficar em alerta elevado para surtos não-usuais de doenças semelhantes à gripe e pneumonia severa - disse a diretora-geral da OMS, Margaret Chan.

A OMS elevou para 5 (numa escala de 1 a 6) o seu nível de alerta contra pandemias, o que significa que a epidemia global é iminente. - Neste estágio, medidas efetivas e essenciais incluem a vigilância reforçada, detecção e tratamento precoce de casos e controle de infecções em todas as instalações sanitárias - disse Chan em entrevista coletiva na noite de quarta-feira.

Os laboratórios devem se preparar para analisar rapidamente a presença do novo vírus em pacientes, além de seguir as boas práticas de biossegurança, afirmou a diretora, acrescentando que o Centro de Prevenção e Controle de Doenças (CDC) dos EUA está montando kits de diagnóstico para serem disponibilizados a outros países e laboratórios.

O novo vírus já matou até 176 pessoas no México e está se espalhando rapidamente. Ele já chegou a 12 países, e na quarta-feira fez sua primeira vítima fatal fora do México (um bebê mexicano de 22 meses que havia sido levado para o Texas).

- É crítico que os profissionais da saúde usem precauções apropriadas para o controle de infecções quando cuidarem de pacientes com sintomas semelhantes aos da gripe (...), para minimizar a possibilidade de transmissão entre eles, para outros profissionais da saúde, pacientes e visitantes - disse a OMS.

Aparentemente, a principal forma de transmissão do vírus é por meio de partículas de saliva. Familiares que visitem pacientes devem ter acesso limitado e também precisam seguir as mesmas precauções adotadas pelos profissionais da saúde, afirmou a OMS.

Os médicos precisam isolar os pacientes e evitar sua aglomeração. Ao lidar diretamente com pessoas contaminadas pelo vírus, eles devem usar óculos e até uma 'blindagem' facial. Realizar procedimentos, como limpeza do trato respiratório, entubação, broncoscopia e até autópsias aumentam o risco de contaminação, de acordo com a OMS. - Profissionais da saúde com sintomas devem ficar em casa - disse o boletim.