Musicoterapia é esperança para pacientes de derrame

Jornal do Brasil

ESTADOS UNIDOS - Um novo estudo britânico sugere que a capacidade de percepção de pacientes que sofreram derrame está intimamente ligada ao bem-estar emocional. Pesquisadores chegaram à conclusão ao constatar que pacientes em recuperação após acidentes vasculares cerebrais, apresentavam menos deficiências visuais ao ouvir músicas que consideravam agradáveis. O estudo foi publicado na revista Proceedings of the National Academy of Sciences.

Até 60% das pessoas que sofrem de derrame desenvolvem uma condição conhecida como negligência unilateral , que resulta na perda da habilidade de rastrear objetos no campo visual do lado oposto a área do cérebro danificada pelo derrame.

A deficiência é causada quando regiões do cérebro responsáveis pela integração da visão, atenção e ações são danificadas e não somente aquelas áreas críticas para o reconhecimento de imagens.

Em casos extremos de negligência unilateral, os pacientes conseguem, por exemplo, comer apenas os alimentos localizados em um lado do prato, ou barbear apenas metade do rosto.

O estudo examinou três pacientes que haviam perdido metade do campo de visão. Os voluntários foram instruídos a completar tarefas enquanto ouviam músicas que os agradavam, outras que não gostavam, ou ficar em silêncio.

Pesquisadores descobriram que todos os três pacientes conseguiam identificar formatos coloridos e luzes vermelhas com maior precisão do lado comprometido pelo derrame quando ouviam músicas que haviam selecionado.

Um dos pacientes pôde identificar luzes em 65% dos casos enquanto sua música favorita tocava, mas apenas em 15% dos casos quando tinha de escutar o que considerava desagradável ou até mesmo quando estava em silêncio.

Os resultados levaram pesquisadores a concluir que músicas agradáveis geram emoções positivas que produzem sinais mais eficazes no cérebro, aumentando assim a capacidade de processar estímulos.

Neuroimagens dos pacientes feitas durante o estudo confirmaram a hipótese. Ouvir músicas agradáveis de fato ativa áreas do cérebro ligadas a respostas emocionais positivas.

Segundo o chefe da pesquisa David Soto, da Imperial College London, a descoberta sugere que médicos devem se preocupar mais com fatores emocionais de cada indivíduo com negligência visual causadas por derrame.