Cresce o número de usuários de banda larga em residências do Brasil

JB Online

SÃO PAULO - O número de usuários ativos da internet em residências brasileiras aumentou para 24,8 milhões em fevereiro de 2009, segundo o IBOPE Nielsen Online. O crescimento foi de 1,4% sobre o mês de janeiro e de 12,5% sobre fevereiro de 2008. Pessoas que moram em residências em que há computador com internet somaram 38,2 milhões.

Dos 24,8 milhões de usuários ativos de fevereiro de 2009, 21,5 milhões ou 87% navegaram por meio de banda larga, crescimento de 3,9% sobre janeiro de 2009 e de 24% sobre fevereiro de 2008.

- O crescimento do uso de banda larga em fevereiro foi maior no público feminino, principalmente crianças e adolescentes, justamente os perfis que historicamente menos usam conexões rápidas - informou José Calazans, analista de Mídia do IBOPE Nielsen Online.

Considerando as pessoas de 16 anos ou de mais idade que moram em domicílios com telefonia fixa, o total com acesso em todos os ambientes (residências, trabalho, escolas, lan-houses, bibliotecas, telecentros) no quarto trimestre de 2008 foi de 43,2 milhões. Considerando todos os brasileiros de 16 anos ou mais de idade com posse de telefone fixo ou móvel, o IBOPE projeta a existência de 62,3 milhões de pessoas com acesso à internet em qualquer ambiente.

O tempo de navegação por pessoa da internet residencial caiu 10,7% em relação ao mês anterior e 1,1% na comparação com fevereiro de 2008, ficando em 22 horas e 10 minutos. Entre os países medidos com a mesma metodologia, navegaram mais que o Brasil em fevereiro o Reino Unido, com 23 horas e 29 minutos, a França, com 22 horas e 50 minutos, e a Alemanha, com 22 horas e 22 minutos por pessoa em residências.

- Por ser um mês mais curto, fevereiro registrou diminuição da navegação em todos os países. Na Europa, a queda foi menor por causa do crescente interesse por redes sociais neste momento - explicou o analista José Calazans.

As categorias que registraram o maior aumento percentual em relação ao mês anterior foram Educação e Carreiras, com 5,9%, Portais, Buscadores e Comunidades, com 1,7%, Telecomunicações e Serviços de Internet, com 1,4%.