Vaticano critica manipulação genética para gerar bebês 'sob medida'

Agência ANSA

CIDADE DO VATICANO - O presidente emérito da Pontifícia Academia para a Vida, monsenhor Elio Sgreccia, criticou nesta terça-feira a criação de 'bebês sob medida', alegando que estes atos lesam a dignidade do feto e são feitos apenas visando dinheiro, interesses e caprichos.

Sgreccia comentou o assunto na Rádio Vaticana, referindo-se ao anúncio veiculado na última segunda-feira pela clínica norte-americana Fertility Institutes que oferecia a casais a chance de escolherem as características físicas dos seus filhos.

Localizado em Los Angeles, o instituto é dirigido por um dos pioneiros dos tratamentos de fertilização artificial, Jeff Steinberg.

- Não é a primeira vez que divulgam estes anúncios para atrair clientela. Em qualquer caso, trata-se de uma operação incorreta e lesiva à dignidade do feto, porque manipula o corpo com o objetivo de dominá-lo e criá-lo segundo os próprios gostos - afirmou o presidente emérito.

Segundo Sgreccia, a manipulação genética pode parecer uma tendência própria da sede de domínio que o absolutismo político sempre quis exercer sobre a vida das pessoas, e deve ser freada pela moral e pelas leis.