Uso de substâncias sintéticas aumenta no Carnaval

Carolina Leal, Jornal do Brasil

RIO - Durante o Carnaval, não apenas as bebidas alcoólicas são escolhidas como forma de potencializar as sensações de diversão. O consumo de drogas sintéticas, que ganhou popularidade nos últimos anos no país, também vem embalando o clima de festa que envolve o feriado.

Especialistas alertam para os efeitos e riscos no uso dessas substâncias, que vão desde desidratação a paradas cardiorespiratórias. Ecstasy, LSD, crystal, anfetaminas, GHB, special K e lança-perfume são alguns dos entorpecentes mais conhecidos. Essas drogas são chamadas de sintéticas por serem o resultado de uma produção, em laboratório, a partir de uma ou várias substâncias químicas que estimulam ou deprimem o sistema nervoso central.

Segundo dados da Delegacia de Repressão a Entorpecentes, da Polícia Federal, a apreensão de LSD foi 30 vezes maior em 2008, em relação a 2007. O grupo das anfetaminas já vinha apresentando um crescimento de 250% no consumo em 2006, levando o Brasil ao título de campeão mundial no uso dessas substâncias, segundo relatório anual das Nações Unidas, feito pela Junta Internacional de Fiscalização de Entorpecentes.

Em duas operações que ocorreram na segunda semana de fevereiro, nas proximidades do Carnaval, a Polícia Federal encontrou 112 mil comprimidos de ecstasy e 115 mil micropontos de LSD, resultando em uma das maiores apreensões de drogas sintéticas do país.

As drogas anfetamínicas são usadas para diversão e aumento de energia. Nos casos de dependência, sempre ouço: 'tenho que parar, mas faço isso depois do Carnaval' conta Analice Gliotti, coordenadora da Associação Brasileira de Estudos do Álcool e outras Drogas.

Segundo a neurologista Andrea Bacelar, da Sociedade Brasileira de Neurofisiologia Clínica, essas drogas podem trazer transtornos ao organismo e até mesmo levar à morte pessoas mais sensíveis ou em casos de altas doses:

O corpo responde a estimulantes com aumento da frequência cardíaca e da temperatura corporal, o que pode provocar desidratação, infarto, trombose e convulsões. Já os depressores têm efeito contrário, como hipotermia e hipotensão. O consumo das drogas sintéticas vem acompanhado de álcool ou outras drogas. Por atingir o sistema nervoso central rapidamente, as pessoas perdem o controle das suas ações e também da quantidade que estão ingerindo afirma.

Maria Thereza Aquino, coordenadora do Núcleo de Estudos e Pesquisas em Atenção ao Uso de Drogas, conta que um dos seus pacientes teve um acidente vascular cerebral e convulsões pela mistura de anfetamina e cocaína

Ele está proibido de usar entorpecentes, mas em geral, eles dizem 'como eu vou para uma festa e ficar careta?'. A pessoa fica dependente de uma alteração da consciência para se divertir.

Além de complicações fisiológicas, o uso frequente dessas drogas também pode levar a transtornos psiquiátricos. Na clínica Jorge Jaber de psiquiatria e dependência química, no Leblon, 25% dos atendimentos são relacionados ao uso de drogas sintéticas.