Google desmente notícia sobre descoberta de Atlântida

Agência EFE

NOVA YORK - As esperanças de que a ilha submersa de Atlântida tivesse sido encontrada terminaram hoje quando o Google disse que a "descoberta" de um engenheiro britânico não se tratava da mítica civilização, mas de um processo de um moderno mapa do solo oceânico.

O jornal britânico The Sun publica hoje em capa a suposta descoberta do engenheiro aeronáutico Bernie Bamford, com uma imagem do Google Ocean (novo recurso do Google Earth) do que pareceria ser a ilha de Atlântida, mencionada pela primeira vez pelo filósofo grego Platão (427-347 a.C.).

No artigo, o jornal assinala que o encontrado no fundo do mar não deve ser uma formação natural, mas deve ter sido construída pelo homem. O Sun afirma que, a julgar pela imagem do Google Ocean, a suposta civilização que afundou há quase 12 mil anos - segundo o relato de Platão - se encontraria no oceano Atlântico, 965 quilômetros ao oeste das ilhas Canárias, a uma profundidade de 5,6 quilômetros.

No entanto, o Google se apressou em esclarecer que o captado por seu programa são plantas deixadas por navios enquanto recolhem dados para elaborar um mapa do fundo oceânico.

- O que os usuários estão vendo são artefatos do processo de coleta de dados - explicou uma porta-voz da companhia, segundo a agência britânica PA.