Britânico descobre 48 novas espécies pré-históricas

Jornal do Brasil

DAS AGÊNCIAS INTERNACIONAIS - Um paleontólogo britânico descobriu 48 novas espécies pré-históricas, depois de transportar toneladas de lama até sua casa e examinar os achados durante um período de quatro anos.

Os fósseis encontrados por Steve Sweetman, da Universidade de Portsmouth, têm 130 milhões de anos e foram escavados na Ilha de Wight, no sul da Inglaterra, tida como a costa Jurássica inglesa.

Sweetman retirou a lama de antigos leitos de rios, e a transportou até sua casa em baldes e mochilas. Ao examiná-la, ele encontrou pelo menos oito novas espécies de dinossauros, vários tipos de lagartos, sapos, salamandras e talvez a descoberta mais rara da época dos dinossauros seis pequenos mamíferos, alguns deles, do tamanho de um musaranho mamífero que se alimenta de insetos.

No passado, paleontólogos normalmente encontravam fósseis e ossos que são expostos naturalmente pela ação do tempo e da natureza, mas Sweetman adotou uma técnica bastante apurada em suas pesquisas. Ele secou e peneirou toda a lama e examinou todos os grãos em um microscópio. Logo no início das pesquisas ele identificou amostras mínimas de ossos e dentes.

Foram quatro anos de trabalho duro para fazer as descobertas contou o paleontólogo. Morar na Ilha de Wight tornou essa pesquisa fisicamente possível. O transporte das toneladas de lama não foi um obstáculo muito grande. Teria sido quase impossível se eu morasse fora da ilha. Logo na primeira amostra encontrei a mandíbula de um anfíbio mínimo, extinto e semelhante a uma salamandra, e depois, as novas espécies foram surgindo.

Apesar do vasto conhecimento sobre as grandes espécies que habitavam a ilha no início do período Cretáceo, diz Sweetman, pouco se sabe sobre as outras espécies.

Com essas descobertas, posso criar um retrato mais detalhado das criaturas que viviam aos pés e à sombra dos dinossauros prevê.