Aborto: criminalização contrasta com o progresso

Jornal do Brasil

DA REDAÇÃO - A Casa Brasil, braço cultural da Companhia Brasileira de Multimídia (CBM), promoveu, em 30 de janeiro, uma mesa-redonda sobre a criminalização do aborto, temática que, no Brasil, assiste aos avanços da admissão do aborto legal o que não é punível pelo Código Penal em oposição aos conservadores que reforçam posições persecutórias.

Coordenado pelo diretor de assuntos institucionais da CBM, Reinaldo Paes Barreto, o evento contou com o cirurgião plástico e professor Ivo Pitanguy que ressaltou a importância da ética para evitar a desumanização da biologia e do médico ginecologista Thomaz Gollop, que destacou aspectos medicinais do aborto em casos de anencefalia.

Participaram também a socióloga e ativista de direitos humanos e reprodutivos Jaqueline Pitanguy, a advogada criminalista Maíra Fernandes e o procurador regional da República e professor de direito constitucional Daniel Sarmento.