Discovery chega à estação espacial com laboratório japonês

REUTERS

CABO CANAVERAL - O ônibus espacial Discovery chegou à Estação Espacial Internacional nesta segunda-feira, depois de uma viagem de dois dias para levar até lá o primeiro laboratório orbital japonês, o Kibo.

O comandante Mark Kelly estacionou o Discovery na unidade Harmony da Estação Espacial, que serve de sala de espera para os ônibus espaciais visitantes, às 15h03 (horário de Brasília), a 338km acima do Pacífico Sul.

- Discovery, chegando - anunciou o engenheiro de vôo espacial Garrett Reisman.

O Discovery foi lançado do Centro Espacial Kennedy, na Flórida, na tarde de sábado, para uma missão de 14 dias.

Além de levar o laboratório japonês Kibo, de US$ 1 bilhão, um módulo de 11 metros que vai se tornar a maior peça da estação na terça-feira, o Discovery levou um novo membro da equipe da estação e os equipamentos para consertar o banheiro da tripulação.

Greg Chamitoff, astronauta canadense em seu primeiro vôo espacial, vai ser transferido para a estação nesta segunda-feira, substituindo Reisman.

Antes de ancorar o Discovery, Kelly deu uma lenta volta com a nave, para que Reisman e o comandante da estação espacial, Sergei Volkov, pudessem tirar fotos da parte de baixo do Discovery. Os engenheiros vão estudar as imagens para se certificar de que o ônibus espacial entrou em órbita com sua blindagem para calor intacta.

As inspeções fazem parte da rotina das missões espaciais desde o desastre com o Columbia, em 2003, no qual o protetor de calor do ônibus espacial foi danificado durante o lançamento. Mais inspeções devem ocorrer.

Por causa do tamanho do Kibo, o Discovery teve de voar sem seu equipamento de inspeção a laser, geralmente usado para limpar as asas da nave e evitar danos.

No lugar, os astronautas do Discovery usaram uma câmera na ponta do braço robótico de 15 metros, mas não conseguiram alcançar a parte de baixo das asas.

Um equipamento de inspeção foi encaixado do lado de fora da estação espacial pela última equipe, para que os astronautas do Discovery o usem antes de voltar para a Terra.

Sete missões serão necessárias para completar a construção da estação de US$ 100 bilhões, um projeto de 16 países. A Nasa também planeja fazer dois vôos e um serviço final do telescópio Hubble.