Rio sedia simpósio internacional sobre o clima

JB Online

RIO DE JANEIRO - De 26 a 30 de maio, especialistas dos cinco continentes debatem

como as mudanças climáticas afetam a vida cotidiana. A recente passagem de um ciclone por Mianmar e os tornados que varreram regiões dos Estados Unidos podem ser apenas um anúncio de catástrofes ainda maiores nas próximas décadas. Um estudo divulgado na edição desta semana da revista Nature, uma das mais respeitadas no meio científico, confirma as suspeitas dos ambientalistas: o aquecimento global está provocando mudanças físicas e biológicas no planeta.

Como os fenômenos atmosféricos e as transformações climáticas influenciam no dia-a-dia de indivíduos e sociedades? É o que irá debater o Simpósio Internacional "Clima, Conhecimento Local e Vida Cotidiana", que acontece de 26 a 30 de maio, no Rio de Janeiro. Durante o evento, cerca de 50 trabalhos serão apresentados em 12 mesas-redondas, que exibirão temas como: Desastres Naturais e Conhecimentos sobre Meio Ambiente, Ciência do Clima e da Sociedade e As Faces Públicas do Clima. A programação completa está disponível no site www.weatherlife.org.

Promovido pelo Museu de Astronomia e Ciências Afins (MAST), em parceria com o Comitê Internacional de História da Meteorologia (ICHM), o encontro será realizado no auditório 3 do Instituto Nacional de Matemática Pura e Aplicada (Impa), situado na Estrada Dona Castorina, n° 110, Jardim Botânico. Os interessados em assistir às palestras devem se inscrever através do e-mail [email protected]

A palestra inaugural, que acontece segunda, às 10h, será de Steve Rayner, diretor do Instituto de Ciência e Civilização na Universidade de Oxford e membro do IPCC, painel da ONU sobre aquecimento global que recebeu o Prêmio Nobel da Paz em 2007.

Os cientistas do IPCC são hoje as principais autoridades mundiais em mudanças climáticas. Por isso, foram encarregados pela ONU de traçar estratégias para combater e prevenir os efeitos do aquecimento global. Em recentes relatórios, a entidade revela que a temperatura global pode sofrer uma elevação entre 1,1ºC e 4ºC até 2100, o que fará subir o nível dos mares entre 18 cm e 58 cm.

Dessa forma, serão cada vez mais comuns os fenômenos extremos, como tornados, secas e chuvas intensas. A entidade chancela a hipótese de que uma elevação de 2ºC na temperatura colocará em risco de extinção um terço das espécies do planeta, modificando o meio ambiente de maneira tal que 1 bilhão de pessoas estarão vulneráveis à fome, à sede e a doenças.

O Brasil tem ocupado posição de destaque nas discussões sobre o aquecimento global, principalmente devido ao pioneirismo na produção e consumo de biocombustíveis. Entre os mais de três mil cientistas que integram o IPCC, cerca de 60 são brasileiros.

Outro destaque do Simpósio será a participação de Vladimir Jankovic, professor da Universidade de Manchester. Presidente do comitê científico do evento, ele estenderá a estada no Brasil para ministrar o curso História da Mudança Climática . As aulas acontecem de 5 de junho a 10 de julho, no MAST, situado na rua General Bruce, 586, São Cristóvão. As inscrições são gratuitas e devem ser feitas através do e-mail [email protected] Serão tratados assuntos como: variabilidade e mudanças climáticas, aquecimento global, desdobramentos da Rio Eco 92 e o protocolo de Kyoto.

Utilizamos cookies essenciais e tecnologias semelhantes de acordo com a nossa Política de Privacidade.
Ao continuar navegando, você concorda com estas condições.
Saiba mais