Grã-Bretanha aprova criação de embriões híbridos

Agência AFP

LONDRES - Os deputados britânicos aprovaram nesta segunda-feira a utilização de embriões híbridos, criados através da introdução de DNA humano em óvulos de animais, para a pesquisa de doenças como o Mal de Alzheimer e de Parkinson.

Em uma votação realizada na noite desta segunda-feira, a Câmara dos Comuns rejeitou por 336 votos a 176 uma emenda que pretendia proibir a criação de embriões híbridos, levantando assim o último obstáculo que ainda havia para sua legalização.

A medida supõe a primeira parte de um polêmico projeto de lei sobre embriões e fertilização cujos debates continuarão na terça-feira.

Os embriões híbridos à base de material genético humano e animal serão reservados a fins exclusivamente científicos, e destruídos após 14 dias de desenvolvimento. Além disso, sua implantação no útero de uma mulher fica terminantemente proibido.

O primeiro-ministro trabalhista, Gordon Brown, cujo filho mais novo (Frasier, de menos de dois anos) sofre de fibrose cística, se declarou contrário à emenda. A fribrose cística faz parte do grupo de doenças congênitas que poderão se beneficiar da clonagem terapêutica, procedimento que seria facilitado com a utilização de embriões híbridos.

Os embriões híbridos são obtidos com a introdução do núcleo de uma célula humana em um óvulo animal, o que gera uma grande quantidade de células-tronco.

A Igreja Católica e vários deputados da oposição conservadora criticaram a decisão, qualificada por um religioso de experiência a "Frankenstein".

Os deputados não foram obrigados a votar com seus partidos e três ministros católicos rejeitaram a medida. Já o chefe dos conservadores, David Cameron, apoiou a criação dos embriões híbridos.

Os deputados devem se pronunciar amanhã sobre outras partes do projeto de "fecundação humana e embriologia", incluindo a autorização para que casais de mulheres possam efetuar fecundação in vitro e a redução do período legal para abortar.

O projeto deverá passar ainda pela Câmara dos Lordes antes de ser definitivamente aprovado.

Utilizamos cookies essenciais e tecnologias semelhantes de acordo com a nossa Política de Privacidade.
Ao continuar navegando, você concorda com estas condições.
Saiba mais