Nível dos oceanos aumentará 1,5 m até 2100, dizem cientistas

REUTERS

VIENA - O derretimento de geleiras, o desaparecimento de placas de gelo e o aquecimento das águas poderiam fazer com que o nível dos oceanos subisse até 1,5 metro até o final deste século, expulsando de suas casas dezenas de milhões de pessoas, afirmou uma nova pesquisa divulgada na terça-feira. Apresentado em uma conferência da União Européia de Geociências, a pesquisa prevê uma elevação do nível dos oceanos três vezes maior do que o estipulado pelo Painel Intergovernamental sobre as Mudanças Climáticas (IPCC) no ano passado.

O painel sobre o clima, uma entidade ligada à Organização das Nações Unidas (ONU), dividiu o Prêmio Nobel da Paz de 2007 com o ex-vice-presidente dos EUA Al Gore. Svetlana Jevrejeva, do Laboratório Oceanográfico Proudman, na Grã-Bretanha, disse que a estimativa baseava-se em um novo modelo matemático que permitiu estabelecer com precisão o nível dos oceanos nos últimos 2.000 anos.

- Durante os últimos 2.000 anos, o nível dos oceanos manteve-se praticamente estável - afirmou a cientista a jornalistas, em meio ao encontro realizado em Viena.

No entanto, o ritmo no qual o nível dos oceanos sobe hoje está ganhando velocidade, e as águas ficarão de 0,8 a 1,5 metro acima de seu patamar atual quando chegar o próximo século, afirmaram pesquisadores, entre os quais Jevrejeva, em um comunicado. O nível dos oceanos elevou-se 2 centímetros no século 18,6 centímetros no século 19 e 19 centímetros no século passado, disse a cientista, acrescentando: 'parece que o rápido aumento do nível dos oceanos no século 20 deveu-se ao derretimento de placas de gelo.'

Os pesquisadores debatem acaloradamente a respeito do quanto o nível dos mares vai elevar-se. O IPCC, por exemplo, diz que tal elevação deve ficar entre 18 e 59 centímetros.

- Os números do IPCC subestimam a realidade - afirmou Simon Holgate, membro também do Laboratório Proudman.

Segundo os pesquisadores, o IPCC não havia levado em conta a dinâmica do gelo - a velocidade maior na movimentação das placas de gelo, velocidade essa alimentada pelo derretimento, é ela também um fator no desaparecimento das placas e na elevação do nível das águas.

Esse efeito, segundo Steve Nerem, da Universidade do Colorado (EUA), deve gerar um terço do futuro aumento do nível dos oceanos.

- Há vários indícios de que vamos ver uma elevação de 1 metro em 2100 - afirmou o cientista, acrescentando que esse fenômeno não ocorreria de maneira uniforme no planeta e que mais pesquisas seriam necessárias para determinar os efeitos dele em cada região.

Os cientistas podem estar em desacordo a respeito da magnitude da elevação, mas estão afinados quando se trata de prever quais serão as áreas mais atingidas - os países em desenvolvimento na África e na Ásia, que não possuem os recursos necessários para construir proteções contra as águas. Entre esses estão nações como Bangladesh, cujo território situa-se quase totalmente a uma altura de no máximo 1 metro do atual nível do mar.

- Se o nível dos oceanos elevar-se 1 metro, 72 milhões de chineses vão perder suas casas, junto com 10 por cento da população vietnamita - afirmou Jevrejeva.