Peritos prevêem temporada agitada de furacões neste ano

REUTERS

ORLANDO - A respeitada equipe de prognósticos da Colorado State University prevê que a temporada de furacões deste ano vai ser acima da média em número de tempestades, disse nesta quarta-feira seu fundador, Bill Gray.

Quando atualizar seus dados esta semana, o grupo pode elevar sua previsão, divulgada em dezembro, de que este ano haveria 13 tempestades tropicais e sete furacões.

Em média, a temporada, que se inicia a partir de 1o de junho, resulta em 10 tempestades tropicais e seis furacões por ano - padrão quebrado amplamente em 2005, quando foram registradas 28 tempestades, incluindo o furacão Katrina, que resultou na devastação da cidade de New Orleans, nos EUA.

As condições de resfriamento anormal das águas do Oceano Pacífico - o fenômeno conhecido como La Niña - e altas temperaturas na superfície do mar no leste do Atlântico estão contribuindo para elevar as condições para formação de furacões, afirmou Gray à Reuters, na U.S. National Hurricane Conference.

- Nós estamos prevendo uma temporada acima da média - disse Gray. - A grande questão que nós temos é: vamos elevar os números da nossa previsão feita em dezembro? Nós poderemos fazer isso. O que não faremos é reduzir os números.

A equipe do Estado do Colorado divulga previsões várias vezes por ano.

Gray disse esperar que o fenômeno La Niña fique entre fraco e neutro este ano. La Niña é o resfriamento das águas no leste do Pacífico, que pode aumentar as condições para a formação de furacões no Atlântico. A água ficará "no lado frio", disse ele.

- Além disso, as temperaturas da superfície do mar, especialmente na região da Península Ibérica e no noroeste da África, estão muito quentes, muito parecidas com o que estavam, nesta época, em 1995 e 2005, quando tivemos uma temporada muito intensa (de tempestades tropicais) - disse ele.