Novo método descobre câncer de útero pelo sangue

Agência EFE

MADRI - O cientista colombiano Manuel Elkin Patarroyo desenvolveu um novo método de diagnóstico precoce do câncer de útero que permite saber quem sofre de papiloma humano (HPV) usando apenas uma gota de sangue e sem necessidade de biópsias.

Em entrevista, o Prêmio Príncipe de Astúrias das Ciências, conhecido por desenvolver a primeira vacina sintética contra a malária, disse que este sistema apresenta grandes vantagens frente a outros procedimentos, como colposcopia, esfregaço e biópsias.

Segundo o imunologista, a técnica é muito útil para pessoas que, por motivos culturais, rejeitam biópsias, como é o caso das indígenas da Colômbia, que são proibidas pelos maridos de se submeter ao procedimento.

O novo método, que já foi aplicado em oito mil mulheres, se baseia nos anticorpos produzidos pelas pessoas cronicamente infectadas pelo HPV (principal causador do câncer de útero), disse o cientista. Estes anticorpos, afirmou Patarroyo, agem contra dois fragmentos da proteína principal do vírus e "servem como diagnóstico".

O cientista anunciou publicamente a pesquisa há três anos, mas "houve uma polêmica por diversos interesses e decidimos nos retirar, nos calar e gerar muitos resultados", afirmou.

Novo método descobre câncer de útero pelo sangue

Novo método descobre câncer de útero pelo sangue

Agência EFE

MADRI - O cientista colombiano Manuel Elkin Patarroyo desenvolveu um novo método de diagnóstico precoce do câncer de útero que permite saber quem sofre de papiloma humano (HPV) usando apenas uma gota de sangue e sem necessidade de biópsias.

Em entrevista, o Prêmio Príncipe de Astúrias das Ciências, conhecido por desenvolver a primeira vacina sintética contra a malária, disse que este sistema apresenta grandes vantagens frente a outros procedimentos, como colposcopia, esfregaço e biópsias.

Segundo o imunologista, a técnica é muito útil para pessoas que, por motivos culturais, rejeitam biópsias, como é o caso das indígenas da Colômbia, que são proibidas pelos maridos de se submeter ao procedimento.

O novo método, que já foi aplicado em oito mil mulheres, se baseia nos anticorpos produzidos pelas pessoas cronicamente infectadas pelo HPV (principal causador do câncer de útero), disse o cientista. Estes anticorpos, afirmou Patarroyo, agem contra dois fragmentos da proteína principal do vírus e "servem como diagnóstico".

O cientista anunciou publicamente a pesquisa há três anos, mas "houve uma polêmica por diversos interesses e decidimos nos retirar, nos calar e gerar muitos resultados", afirmou.