Fracasso pós-Kioto seria

Agência AFP

LONDRES - Tony Blair conclamou neste sábado o Grupo dos 20 países mais poluidores do planeta, reunidos neste final de semana no Japão, a a chegarem a um consenso em torno do tema das reduções de emissões de gases causadores do efeito estufa, e considerou "irresponsável" uma eventual estagnação na discussão e implementação de iniciativas para conter o aquecimento global.

O ex-primeiro-ministro britânico lançou em 2005 o primeiro fórum "G20" com o objetivo de associar, além dos países industrializados, os grandes países emergentes (Brasil, China, Índia...) em discussões a respeito da redução das emissões de poluentes.

Blair dirige agora um "grupo de especialistas internacionais", apoiados pelos Estados Unidos e pela União Européia, para contribuir para a elaboração de um compromisso. Um acordo deve ser obtido até o final de 2009, sob os auspícios da ONU, para que o protocolo de Kioto seja cumprido.

Este protocolo estabelece aos países industrializados reduções nas emissões de gases causadores do efeito estufa entre 1990 e o período 2008-2012, mas seu alcance foi reduzido pela rejeição dos Estados Unidos em assiná-lo.

- Chegamos a um momento crítico para uma decisão a respeito das mudanças climáticas - declarou neste sábado Blair às autoridades dos países do G20 reunidos em Makuhari (região de Tóquio).

No Grupo dos 20 estão representados na realidade 23 países de América Latina (Brasil, Argentina, Bolívia, Chile, Cuba, Equador, Guatemala, México, Paraguai, Peru, Uruguai e Venezuela), África (Egito, Nigéria, África do Sul, Tanzânia e Zimbábue) e Ásia (China, Filipinas, Índia, Indonésia, Paquistão e Tailândia).