Robô usa calor dos oceanos para pesquisar mundo submarino

REUTERS

PARIS - Um dispositivo submersível que usa como energia o calor do oceano é o primeiro robô "verde" a explorar o ambiente submarino. Os cientistas afirmaram que o aparelho já cruzou a bacia das Ilhas Virgens (de 4 mil metros de profundidade) entre St. Thomas e St. Croix mais de 20 vezes desde que foi lançado em dezembro.

E o aparelho pode continuar fazendo isso sozinho por mais seis meses, previu a equipe do Instituto Oceanográfico Woods Hole e da Corporação de Pesquisa Webb em Falmouth, Massachusetts.

- Robôs planadores podem ser colocados em tarefas que humanos não querem fazer ou não podem por causa de questões como tempo e custo - disse Dave Fratantoni do Woods Hole. - Eles podem operar ininterruptamente em todas as condições de clima.

Tais robôs podem transportar sensores para medição de temperatura, salinidade e produtividade biológica.

Eles voltam à superfície com frequência para fixarem posições usando o Sistema de Posicionamento Global (GPS) e para se comunicarem com laboratórios por meio do sistema de satélites Iridium.

A maior parte dos robôs depende de motores movidos a bateria e bombas mecânicas, afirmaram os pesquisadores. Mas o robô "verde" retira energia a partir das diferenças de temperatura entre águas quentes de superfície e águas frias de níveis mais profundos do oceano.

- Estamos usando uma fonte de energia praticamente ilimitada para propulsão - disse Fratantoni.

Ele afirmou que os dados coletados pelo robô ajudarão os pesquisadores a entender como redemoinhos na região afetam a circulação do oceano e a reprodução de peixes, bem como poluentes.