Hackers brincalhões invadem site do governo chinês

Agência EFE

PEQUIM - Um grupo de brincalhões (ou trolls, como são chamados no jargão internauta) invadiu o site oficial do Ministério de Ciência e Tecnologia chinês e ridicularizou os cientistas nacionais, informou nesta segunda-feira a imprensa estatal.

Segundo a agência Xinhua, os trolls entraram na seção de perguntas e respostas da página, colocando questões absurdas que os administradores, apesar de tudo, tentaram responder da forma mais séria possível.

Um deles, por exemplo, perguntou se era possível cozinhar um porco em molho de soja com energia nuclear. "Entrei em contato várias vezes com terroristas que querem comprar alguns reatores nucleares para uso doméstico que inventei, onde posso registrar a patente?", questionou outro internauta, que assinou com o nome de Gan Liliang.

Ao menos 200 perguntas deste tipo foram enviadas ao site desde 22 de janeiro, e a maioria foi apagada, segundo os administradores, mas antes foram copiadas e reproduzidas em outros fóruns em mandarim. "Embora muitas das perguntas não tivessem a ver com o trabalho do Ministério, as respondemos da melhor forma possível", assegurou um comunicado da instituição.

A China, com 210 milhões de internautas, está a ponto de superar os Estados Unidos como a maior comunidade de usuários da rede. Os chineses, apesar da forte censura de conteúdos, usam a sátira com freqüência em blogs, fóruns e sites.

Há duas semanas, em entrevista coletiva dos Ministérios de Segurança Pública e de Indústria da Informação, os responsáveis destas instituições indicaram que o Governo deseja um ambiente "saudável" nas páginas chinesas, mas que algumas piadas de vez em quando não são prejudiciais.

As autoridades citaram como exemplo de humor "aceitável" a paródia que nos últimos anos circulou de um filme de Chen Kaige (um dos diretores mais famosos da China), que chegou a se tornar tão famosa quanto o longa original.

Utilizamos cookies essenciais e tecnologias semelhantes de acordo com a nossa Política de Privacidade.
Ao continuar navegando, você concorda com estas condições.
Saiba mais