Hábitos saudáveis podem aumentar vida em 14 anos, aponta pesquisa

Agência EFE

LONDRES - Uma pessoa com hábitos saudáveis, que faz exercícios físicos regularmente, não bebe álcool com freqüência, come bastante frutas e verduras e não fuma pode viver 14 anos mais que uma outra que não tenha esses costumes, revela um estudo publicado nesta terça-feira.

A pesquisa, que está na revista "Public Library of Science Medicine" ("PLoS"), afirma que muitas pessoas podem ganhar anos de vida com simples mudanças no cotidiano.

No total, 20 mil pessoas foram acompanhadas por mais de dez anos, e os cientistas descobriram que quem não cumpriu esses objetivos de vida saudável tinha quatro vezes mais possibilidades de morrer mais cedo do que quem conseguiu manter bons hábitos.

O estudo foi realizado pela Universidade de Cambridge e pelo Conselho de Pesquisa Médica no condado de Norfolk, oeste da Inglaterra, entre 1993 e 2006.

Os participantes tinham entre 45 e 79 anos, eram predominantemente brancos e não apresentavam câncer nem problemas cardíacos, de acordo com a análise.

Cada participante recebeu um ponto para cada uma dessas características: não fumante, consumo de meio a sete copos de vinho por semana, consumo de cinco porções de frutas e verduras por dia e não considerado sedentário.

A equipe de pesquisadores descobriu que os que ganharam os quatro pontos tinham muito mais perspectivas de vida durante o período em que o estudo foi realizado que os que não registraram pontos.

Além disso, a equipe indicou que uma pessoa de 60 anos sem nenhum ponto tinha o mesmo risco de morrer que uma de 74 anos com quatro pontos.

Segundo a professora Kay-Tee Khaw, que coordenou o estudo, a equipe sabia que cada uma das categorias mencionadas poderia ter um impacto na longevidade. Ela afirmou, no entanto, que "esta é a primeira vez que todos os pontos foram analisados em conjunto".

Também chegaram à conclusão de que a classe social e a massa corporal não influenciam na aumento do tempo de vida.

Os especialistas indicaram que "isto significa que uma grande proporção da população pode realmente sentir os benefícios na saúde através de mudanças moderadas".

- Esta é uma boa notícia e mostra que, com uma vida saudável, as pessoas podem reduzir o risco de morrer por doenças cardíacas e circulatórias - afirmou Judy O'Sullivan, porta-voz da Fundação Britânica do Coração.

- As pessoas podem melhorar suas perspectivas de vida se não fumarem, beberem álcool com moderação, realizarem atividade física regularmente e tiverem uma dieta rica em frutas e verduras - afirmou.