Irã fica paralisado pela pior onda de frio em 50 anos

Agência EFE

TERÃA - A onda de frio que castiga o Irã desde o domingo paralisou a vida em várias áreas do norte do país, e obrigou o Governo a anunciar o fechamento durante dois dias das instituições governamentais em Teerã, incluindo as escolas.

O presidente iraniano, Mahmoud Ahmadinejad, citado pela agência "Irna', advertiu perante o Parlamento que a onda de frio é a pior que afeta à República Islâmica em 50 anos, e afirmou que em algumas regiões do norte do Irã a temperatura caiu para até 30 graus abaixo de zero.

Hoje e amanhã as instituições governamentais estarão fechadas, com exceção dos escritórios da Presidência e dos ministros, assim como os bancos, os hospitais e os serviços de transporte urbano, segundo a agência iraniana Isna.

Em comunicado, o Conselho de Ministros pediu aos governadores das províncias iranianas a adotar as medidas adequadas para enfrentar o mau tempo e a neve, segundo as circunstâncias e a situação meteorológica de cada área.

O frio e a forte neve causaram o cancelamento de numerosos vôos nacionais e internacionais, além do fechamento de muitas estradas, criando dificuldade de circulação em outras, especialmente nas cidades de Zanyan, Ghazvin, Qom, Karaj, Chalus, Arak, Boroujerd, "Fars', Isfahan, Khorasan e Ilam.

O frio afetou também vários países árabes do Golfo Pérsico, vizinhos do Irã, conhecidos por seu clima de calor, como os Emirados Árabes Unidos, Catar e Arábia Saudita.

Neste último, onde a temperatura no verão supera habitualmente os 45 graus, o frio afetou Riad e seus arredores e a temperatura chegou nos últimos dois dias a 5 graus abaixo de zero em alguma regiões.