Camundongos com lesão na espinha voltam a andar

Agência JB

WASHINGTON - Camundongos recuperaram parte dos movimentos após lesões na espinha em pesquisa coordenada por cientistas da Universidade da Califórnia. A estratégia, no futuro, poderá ajudar pacientes humanos com lesões parecidas a voltar a andar.

A pesquisa, publicada na última edição da revista científica "Nature Medicine", mostrou que o cérebro e a medula espinhal são capazes de reorganizar suas funções após uma lesão. Com isso, é possível resgatar a comunicação entre as células que permite atividades como caminhar.

Os camundongos passaram por lesões parciais da medula espinhal em laboratório. Gradualmente, ao longo de um período entre oito e dez semanas, eles recuperaram a capacidade de andar, embora não tão bem quanto o faziam antes. Depois dessa lesão parcial, o cérebro e a medula espinhal passaram por uma espécie de reorganização espontânea para controlar o ato de andar. E isso mesmo na ausência dos "cabos" neurais longos que normalmente ligam o cérebro ao centro responsável pela capacidade de caminhar na medula espinhal inferior.

- Isso é só o começo - diz Michael Sofroniew, neurobiólogo da Universidade da Califórnia em Los Angeles que liderou a pesquisa.

- Identificamos o que parece ser um novo mecanismo de recuperação depois desse tipo de ferimento. Precisamos entendê-lo melhor e aprender a explorá-lo melhor, usando o tipo certo de fisioterapia e descobrindo maneiras de estimular esse tipo de recuperação - explicou.

Especialistas achavam que a única maneira de alguém com uma lesão espinhal voltar a andar seria achar um jeito de recriar os longos "cabos" de nervos que unem o cérebro e a base da medula espinhal. No atual estudo, entretanto, eles descobriram que, quando a lesão bloqueava os sinais diretos do cérebro, as mensagens conseguiam usar atalhos em volta do ferimento, atravessando uma série de conexões mais curtas até chegar a seu destino.

É como o trânsito, explica Sofroniew:

- Quando há uma grande via expressa funcionando, o melhor jeito de chegar a um lugar é usá-la. Mas, se ela ficar bloqueada, o jeito é simplesmente sair dela e usar ruas paralelas mais curtas para chegar ao destino.

Os pesquisadores dizem que agora a idéia é descobrir como estimular as células nervosas na medula espinhal a crescer e formar novos caminhos que contornem ou atravessem um ferimento, permitindo que o cérebro dirija essas células e evite a paralisia.

(Com Reuters)