DF: Plano de prevenção à febre amarela inclui vacinação e pulverização

Agência Brasil

BRASÍLIA - O secretário de Saúde do Distrito Federal, José Geraldo Maciel, anunciou na tarde desta sexta-feira um plano de prevenção à febre amarela no DF. O alerta contra a doença começou com a morte de seis macacos, dois no Parque Nacional de Brasília e quatro no Park Way, área nobre próxima ao Plano Piloto. As mortes provocaram a interdição do parque, conhecido popularmente como Água Mineral.

Para impedir a disseminação da doença para as áreas urbanas, os arredores do parque, onde vivem cerca de 13 mil pessoas, serão pulverizados contra o mosquito Aedes aegypti, transmissor da febre amarela. O inseto é o mesmo que transmite a dengue. Maciel também destacou que será feita uma mobilização para vacinação.

A campanha de vacinação, segundo ele, terá foco nos que ainda não são vacinados, nos moradores de locais próximos à Água Mineral e nas pessoas que pretendem viajar para Goiás e a Região Norte. A partir de sábado, os postos e centros de saúde estarão abertos das 8h às 17h para vacinação.

De acordo com o secretário, aparentemente os macacos morreram por outras causas e não por febre amarela, mas o Distrito Federal entrou em alerta devido aos cerca de 40 casos da doença em símios em 31 municípios de Goiás.

- O Ministério da Saúde, por meio da Secretária de Vigilância em Saúde, informou que em Goiás verificaram-se alguns casos e, principalmente por isso, estamos em alerta no DF - explicou.

As vísceras dos macacos mortos foram enviadas para análise no laboratório Adolfo Lutz, em São Paulo. Os resultados dos exames deverão sair de 20 a 30 dias. Até a liberação desses resultados, o Parque Nacional de Brasília ficará interditado.