Cientistas americanos transformam frutose em biocombustível

Agência EFE

LONDRES - Uma equipe de cientistas americanos descobriu que a frutose, uma forma simples de açúcar encontrada em frutas e no mel, pode se transformar em um potente biocombustível, segundo a edição desta quarta-feira da revista científica britânica 'Nature'.

Dirigidos por James A. Dumesic, do departamento de Engenharia Química e Biológica da Universidade de Wisconsin-Madison, nos Estados Unidos, os pesquisadores desenvolveram um processo catalítico que transformou a frutose em 2,5-dimetilfurano.

Em comparação com o etanol, obtido do milho e da cana-de-açúcar, a densidade energética do combustível 2,5-dimetilfurano é 40% mais elevada e menos volátil.

Embora o etanol seja atualmente o único combustível renovável potencialmente sustentável, apresenta limitações como a baixa densidade energética, a alta volatilidade e a poluição pela absorção de água da atmosfera.

A estratégia catalítica utilizada pelos cientistas abre um novo caminho para transformar a frutose em um combustível líquido que, preparado para o setor do transporte, também é insolúvel em água, o que facilita a obtenção em sua forma pura.

A frutose pode ser obtida diretamente da biomassa e pode ser extraída e concentrada para a produção de um açúcar alternativo.

Os biocombustíveis despontam como um dos produtos que melhor podem satisfazer as necessidades energéticas do planeta.