Bush rejeita meta de emissões de gases em sua última reunião com Blair

Agência EFE

HEILIGENDAMM (ALEMANHA) - O presidente dos Estados Unidos, George W. Bush, e o primeiro-ministro do Reino Unido, Tony Blair, dois aliados que marcaram a política mundial nos últimos anos, se reuniram nesta quinta-feira pela última vez como chefes de Governo de seus países, em Heiligendamm (Alemanha), onde participam da cúpula do G8 (grupo dos sete países mais industrializados do mundo e Rússia).

Os dois discutiram assuntos como a mudança climática e a ajuda ao desenvolvimento. São dois temas em que Blair tem insistido nas últimas reuniões do G8. No entanto, o líder trabalhista não conseguiu convencer Bush a aceitar a proposta européia de reduzir as emissões dos gases que provocam o aquecimento global.

Bush voltou a afirmar que não aceitará limites enquanto China e Índia não se entrarem nas negociações.

A África foi outro tema de discussão, principalmente a luta contra a aids e a situação na região de Darfur, no Sudão. Os dois líderes também discutiram a tensa relação com a Rússia por causa do escudo antimísseis que os EUA pretendem instalar no leste da Europa.

Bush disse que o dispositivo "não pode deter três ou quatro mísseis", por isso não seria capaz de evitar um ataque da Rússia. Ele reafirmou que o objetivo é a proteção contra um ataque lançado por países "renegados".

O presidente americano, que se reunirá hoje com Putin após um almoço de trabalho na cúpula do G8, repetiu que a Rússia não é uma ameaça e que a Guerra Fria terminou.

- Não deveríamos ficar nervosos por isto - afirmou Bush.

Blair abandonará seu cargo em 27 de junho, após mais de uma década à frente do Governo britânico.