Ban pede que países reconheçam necessidade de lutar contra aquecimento

Agência EFE

NAÇÕES UNIDAS - O secretário-geral da ONU, Ban Ki-moon, convocou nesta terça-feira, por ocasião da celebração do Dia Internacional do meio Ambiente, os países a reconhecerem a necessidade de se reduzir o ritmo das 'dramáticas' mudanças climáticas que atingem o planeta.

Em declaração no plenário das Nações Unidas, Ban afirmou que as provas mais claras das mudanças que atingem o planeta estão nos pólos e na região ártica.

- Para os povos e ecossistemas do Ártico, as implicações são profundas - declarou.

- O desaparecimento das massas de gelo reduz o habitat natural das espécies e as torna mais vulneráveis. As mudanças também atingem as comunidades indígenas que dependem da terra não apenas para a alimentação, mas para manterem sua identidade cultural - afirmou.

O Programa da ONU para o Meio Ambiente (Pnuma) lançou um alerta nesta segunda em um novo relatório dizendo que centenas de milhões de pessoas serão afetadas pelo degelo e pela diminuição de geleiras, como conseqüência da mudança climática.

As transformações climáticas também terão conseqüências nas outras regiões geográficas do mundo, sob a forma de aumento do nível do mar e fenômenos atmosféricos mais violentos, disse o secretário-geral.

- Para um terço da população mundial que vive em regiões áridas, especialmente na África, as mudanças nos padrões atmosféricos ligados à mudança climática ameaçam intensificar a desertificação, as secas e a insegurança alimentar - declarou.

Como símbolo do potencial de poluição produzido por cada ser humano, milhares de sapatos decorados por estudantes de todas as partes dos Estados Unidos foram colocados hoje em frente à sede da ONU para demonstrar o compromisso da juventude na luta contra a mudança climática.

O secretário-geral da ONU fez um apelo no passado aos jovens para participarem ativamente da redução das emissões de dióxido de carbono, gás que é apontado como o principal responsável pelo aumento das temperaturas no planeta.

A manifestação na sede das Nações Unidas marcou o lançamento da iniciativa 'Nosso potencial, nosso futuro: uma iniciativa mundial para reduzir os gases do efeito estufa', que é organizada pela Federação Mundial Associações da ONU e a Rede Internacional de Educação e Recursos.