Pesquisador diz que energia gerada pelo lixo é viável

Agência Câmara

BRASÍLIA - O aproveitamento do lixo para a geração de energia é um dos principais fatores para desenvolver projetos de cidades sustentáveis, disse há pouco o pesquisador Sérgio Vieira Guerreiro Ribeiro.

- O sistema é viável e de grande importância para reduzir o acúmulo de resíduos nos aterros e lixões urbanos, afirmou Ribeiro, que é pesquisador da Comissão Nacional de Energia Nuclear (CNEN), cedido à Coordenação de Pós-Graduação em Engenharia (Coppe) da Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ).

Ribeiro é um dos participantes do seminário "Energia de Fontes Renováveis", organizado pelas comissões de Meio Ambiente e Desenvolvimento Sustentável; de Ciência e Tecnologia, Comunicação e Informática; e de Minas e Energia da Câmara dos Deputados.

Mais cedo, o diretor-executivo da Associação Brasileira dos Pequenos e Médios Produtores de Energia Elétrica (APMPE), Fábio Sales Dias, disse que o Brasil precisa investir R$ 28 bilhões para expandir o mercado das fontes alternativas de energia. A expectativa da associação é que, até 2015, essas fontes representem 10,4% da energia consumida no País.

Em resposta ao deputado Nazareno Fonteles (PT-PI), o diretor disse ainda que, com a atual oferta de fontes de energia renováveis e o marco regulatório existente, já há condições de que essas fontes componham 20% da matriz energética brasileira nos próximos dez anos.

Para explicar a necessidade de investimentos, Fábio Sales Dias informou que o potencial estimado para as pequenas centrais hidrelétricas é de 15 gigaWatts, enquanto uma usina de energia eólica pode produzir 142,5 gigaWatts.

Na opinião do diretor, para que o mercado de energia alternativa cresça é preciso definir critérios claros, agilizar prazos e padronizar os procedimentos de licenciamento ambiental. Ele também ressaltou a importância de sistematizar leilões, incluir os projetos do setor no Programa de Aceleração do Crescimento (PAC) e a realizar a segunda etapa do Programa de Incentivo às Fontes Alternativas de Energia Elétrica (Proinfa).