'Covid-19 de laboratório' é teoria pouco provável, diz líder da investigação da OMS na China

.

Foto: AP Photo / Ng Han Guan
Credit...Foto: AP Photo / Ng Han Guan

Ben Embarek, líder da missão da Organização Mundial da Saúde (OMS) que investiga a origem da pandemia na China, disse nesta quinta-feira (4) que a ideia de que a covid-19 saiu de laboratório é algo pouco provável, mas daria um bom roteiro para um filme.

Conforme publicou a agência AFP, Embarek, que lidera uma equipe de dez investigadores em Wuhan, comentou que essa e outras teorias dariam um "excelente cenário para bons filmes e séries nos próximos anos".

Na quarta-feira (3), a equipe da OMS visitou o Instituto de Virologia de Wuhan, centro de especulações sobre a origem da covid-19. Na mesma data, o cientista russo Vladimir Dedkov, vice-diretor do Instituto Pasteur de Epidemiologia e Microbiologia, e integrante da comissão da OMS na China, afirmou que "é difícil imaginar um vazamento" do laboratório.

Segundo Embarek, a visita foi um passo importante para compreender a origem de tais teorias, garantindo que teve conversas "muito francas" com os cientistas chineses. De acordo com a agência, o investigador desmentiu algumas dessas teorias, afirmando que se a investigação começar a "perseguir fantasmas não vai chegar a lugar nenhum".

"Podemos, de forma racional [...] explicar por que algumas delas [das teorias] são totalmente irracionais, por que algumas delas podem fazer sentido, e por que algumas delas podem ser explicadas ou não", afirmou o especialista à AFP.

O investigador disse que a viagem a Wuhan, que termina na semana que vem, não trará a total compreensão sobres as origens da covid-19, mas "será um bom primeiro passo".

A covid-19 foi detectada pela primeira vez em Wuhan, ainda em dezembro de 2019. Quando a doença se espalhou pelo mundo convertendo-se em uma pandemia, teorias sobre a origem do vírus começaram a se espalhar pela Internet.

A ideia de que o vírus foi produzido por laboratórios foi vocalizada, inclusive, pelo ex-presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, que em diversas ocasiões classificou a doença como "vírus chinês". Em janeiro, seu governo chegou a dizer que tinha "crescentes evidências" de que o vírus saiu de um laboratório.(com agência Sputnik Brasil)