Cientistas britânicos testam coquetel que pode prevenir infecção causada pela covid-19

O coquetel de anticorpos ofereceria imunidade instantânea contra a doença

Foto: Folhapress / Leandro Ferreira /Fotoarena
Credit...Foto: Folhapress / Leandro Ferreira /Fotoarena

De acordo com o jornal "The Guardian", a terapia consiste em um coquetel de anticorpos e está sendo desenvolvida pela University College London Hospitals NHS Foundation Trust (UCLH) e pela empresa AstraZeneca, a mesma farmacêutica responsável pela produção de uma vacina em parceria com a Universidade de Oxford.

Segundo a pesquisa, o coquetel de anticorpos ofereceria imunidade instantânea contra a doença e poderia ser administrado como um tratamento de emergência para pacientes internados em hospitais e residentes em asilos, ajudando a conter os surtos da doença. Além disso, a proteção contra a covid-19 oferecida pela fórmula poderia durar entre seis meses e um ano.

"Se pudermos provar que este tratamento funciona e evitar que as pessoas expostas ao vírus desenvolvam a covid-19, seria um acréscimo empolgante ao arsenal de armas em desenvolvimento para combater esse vírus terrível", disse a virologista Catherine Houlihan, que lidera o estudo, segundo o The Guardian.
Além do tratamento de emergência para pacientes em hospitais e asilos, a fórmula pode ser útil para pessoas que tiveram contato com doentes e para os estudantes universitários que vivem, estudam e socializam em grandes comunidades.

"Até o momento, administramos [o coquetel] em dez participantes - funcionários, estudantes e outras pessoas - que foram expostos ao vírus em casa, no ambiente hospitalar ou em alojamentos estudantis", disse à publicação britânica Houlihan, que acrescentou que ela e seus colegas acompanhariam de perto os participantes para ver qual deles desenvolveria a covid-19.

Os participantes da pesquisa estão recebendo o coquetel em duas doses. Se for aprovado, a fórmula será oferecida a alguém que foi exposto à covid-19 nos oito dias anteriores. O teste envolve a UCLH, outros hospitais britânicos e uma rede de 100 locais em todo o mundo. Caso seja aprovado, o medicamento estará disponível para uso público em março ou abril de 2021. (com agência Sputnik Brasil)