Duas vítimas de acidente com carro da Unidos da Tijuca permanecem em observação

Outras três também seguem internadas após colisão de carro da Paraíso do Tuiuti

A Secretaria Municipal de Saúde do Rio de Janeiro atualizou na tarde desta terça-feira (28) informações sobre as vítimas dos acidentes com o carro alegórico da Unidos da Tijuca, nesta madrugada. Duas vítimas continuam internadas, em observação.

Em consequência do desabamento de parte do carro abre-alas da Unidos da Tijuca, 20 pessoas foram atendidas no posto de saúde do Sambódromo e nos hospitais da rede pública da cidade. Dessas, 12 ficaram feridas e oito receberam assistência médica no local.

Segundo a secretaria, dos 12 feridos, 10 foram encaminhadas à rede municipal de saúde. Quatro foram para o Hospital Municipal Souza Aguiar, no Centro do Rio, sendo que três tiveram alta e uma continua em observação. Também foram liberadas quatro pessoas feridas com escoriações leves levadas para o Hospital Miguel Couto, no Leblon. Duas vítimas seguiram para o Hospital Lourenço Jorge, na Barra da Tijuca, zona oeste. Uma teve alta e a outra permanece internada, em observação.

>> Em nota, Liesa lamenta acidentes e anuncia ajustes

>> Acidentes expõem cenário de crise e de corte de verba

O presidente da Unidos da Tijuca, Fernando Horta, prometeu que a escola dará assistência às vítimas do acidente, caso seja necessário. "Não foi excesso de peso, porque as pessoas ensaiam dentro do carro", disse Horta, destacando que não acredita que o problema tenha sido estrutural.

Outros problemas

Outras duas escolas tiveram problemas com suas alegorias durante esta madrugada. A União da Ilha teve dificuldade em manobrar sua penúltima alegoria na entrada do sambódromo, o que obrigou a escola a segurar o desfile para que o buraco formado pelo problema não crescesse. Na saída, o carro voltou a apresentar problemas para sair da dispersão e houve correria para empurrá-lo.

Quando a São Clemente entrou na avenida, a União da Ilha ainda tentava retirar o carro da dispersão e só conseguiu quando a escola da zona sul já tinha avançado cerca de metade do percurso.

A Mocidade de Padre Miguel foi outra escola que teve dificuldade em retirar uma de suas alegorias do sambódromo. O problema foi parecido com o da União da Ilha, mas foi mais facilmente resolvido.

O presidente da Liga das Escolas de Samba do Grupo Especial (Liesa), Jorge Castanheira, disse que vai haver uma reavaliação dessas questões a partir dos problemas que forem identificados nos desfiles. Ele afirmou que a possibilidade de interromper o desfile diante de um acidente como o da Unidos da Tijuca não existe no regulamento.

"Quando cheguei lá, os bombeiros já estavam atuando e entendi que estava sob controle a situação. E a escola prosseguiu com seu desfile", disse Castanheira, que considerou o ano atípico. "Vamos analisar caso a caso".

Segundo ele, a Polícia Civil fará na manhã da próxima quarta-feira uma reconstituição do acidente envolvendo o carro alegórico da Paraíso do Tuiuti.

Pacientes no CTI

A secretaria informou, ainda, que das 20 vítimas do acidente ocorrido no último domingo (26) com o carro da Paraíso do Tuiuti, três permanecem internadas no Centro de Terapia Intensiva (CTI) dos Hospitais Miguel Couto e Souza Aguiar. A fotógrafa Lúcia Mello Freitas está estável, enquanto Maria de Lurdes Maura Ferreira apresenta quadro grave, respirando com ajuda de aparelhos, e Elisabeth Jofre continua estável.

Com Agência Brasil