Mônaco se veste de gala para casamento real

Em meio a severas medidas de segurança, Mônaco conclui os preparativos para o casamento de Albert II com a sul-africana Charlene Wittstock, apesar dos boatos sobre o possível cancelamento do matrimônio.

Em meio à crise que abala a Europa, Mônaco montou um "conto de fadas" para o próximo fim de semana, na esperança de reaquecer sua economia e resgatar os tempos áureos de seu brasão.

Os 35 mil habitantes do principado esperam receber 200 mil visitantes - o mesmo número que o principado abrigou para o Grande Prêmio de Fórmula 1 - atraídos pelos festejos organizados por ocasião do casamento do príncipe, de 53 anos, com a ex-nadadora olímpica sul-africana, de 33.

Espera-se que a maioria dos turistas e curiosos venham da França e da Itália.

Distribuição de taças de champanhe em lojas e museus, estacionamentos grátis e até testes gratuitos em carros de corrida, além de uma "tarifa especial" (50 euros) para um voo de helicóptero, estão entre as atrações ligadas ao evento.

O casamento envolverá três dias de festividades, com a presença de chefes de Estado de mais de vinte países, 38 famílias reais e centenas de celebridades.

Haverá festas populares, um show da banda Eagles no estádio de futebol, que será assistido pelos noivos, além de um espetáculo de música e luz, um show de Jean Michel Jarre e espetáculos de fogos de artifício.

A cerimônia de casamento civil, na sexta-feira no Sala do Trono do palácio principesco, e a religiosa, no sábado, ao ar livre, no Pátio de Honra do Palácio, poderão ser acompanhadas em telões na praça.

O casamento, transmitido por dezenas de canais de televisão, será uma ocasião para falar de Mônaco de "uma maneira diferente", reconheceu o príncipe Albert, cujo principado, o segundo menor Estado do mundo, enfrenta a competição de outros países para atrair as grandes fortunas do mundo.

Albert e a noiva têm se esforçado para manter a impressão de tranquilidade, após a revista francesa L'Express informar que o casamento pode não ocorrer.

Sob o título "Albert-Charlene, Perigo sobre o casamento", a revista informa que os problemas do casal começaram na semana passada, o que levou Wittstock a partir precipitadamente de Mônaco em direção ao aeroporto de Nice, no sul da França, para subir em um voo "sem volta" para a África do Sul.

Ainda segundo a revista, no último momento Wittstock foi convencida a retornar a Mônaco para prosseguir com os preparativos do casamento.

A publicação recordou ainda a agitada vida privada do príncipe de Mônaco, que reconheceu publicamente que tem dois filhos fora do matrimônio, uma menina e um menino.

Jazmin Grace, de 19 anos, foi o fruto de uma relação com Tamara Rotolo, ex-camareira americana, e Alexandre, de seis anos, foi o resultado de uma relação com Nicole Coste, ex-aeromoça francesa nascida em Togo.

Albert os reconheceu oficialmente depois de sua chegada ao trono, mas, segundo a Constituição, eles não poderão sucedê-lo.