Herói da vaga inglesa admite ajuda da mãe e noite sem sono

Portal Terra

JOHANNESBURGO - O atacante Jermain Defoe, autor do único gol da vitória inglesa sobre a Eslovênia na última quarta-feira, admite que ficou nervoso quando foi informado pelo técnico Fabio Capello que seria titular no decisivo confronto, e que precisou da ajuda da mãe para conseguir dormir na véspera.

"Estava tão nervoso que não conseguia dormir na noite anterior ao jogo. Ela realmente me acalmou e me disse para relaxar e aproveitar o momento, porque eu trabalhei duro toda a minha vida por isso", disse Defoe, ao site da Fifa. "Ela estava chorando antes da partida, então imagine como ela estava depois", comentou.

Há quatro anos, o atacante ficou de fora da convocação final do então técnico Sven-Goran Eriksson, mas chegou a viajar para a Alemanha com o elenco da Inglaterra, caso Wayne Rooney fosse cortado por lesão, o que não acabou acontecendo, e Defoe foi liberado.

Por conta disso, se esforçou ainda mais para ser lembrado por Fabio Capello entre os 23 escolhidos para a Copa na África do Sul. "Coisas como aquela te estimulam. Foi muito duro deixar a delegação. Eu apenas quero provar que as pessoas estavam erradas e eu deveria ter estado lá", afirmou.

Com a segunda posição no Grupo C, a inglaterra enfrenta nas oitavas de final a grande rival Alemanha. Uma eventual disputa por pênaltis, verdadeiro trauma inglês, não preocupa Defoe, que diz que é hora para seus compatriotas esquecerem o mau retrospecto em disputas de penalidades.

A lista de eliminações inclui as Eurocopas de 1990 e 1996, ambas para os rivais do próximo domingo, e a de 2004 e a Copa do Mundo de 2006 para os portugueses, além do Mundial de 1998 contra a Argentina.

Para o atacante do Tottenham, dá para entender quando você olha para o que aconteceu nos últimos anos e lembra das derrotas para os alemães, mas agora é um jogo e hora diferentes, disse o atleta ao jornal The Telegraph. Pelo clube inglês, Defoe perdeu seis das últimas 11 tentativas, mas se mantém otimista nos treinos da seleção britânica.

O jogador diz que quanto mais cobranças você treinar, mais confiante você irá se sentir na hora do jogo, acrescentando que a parte mais importante é psicológica.