Maradona discute com sul-coreano e revive rivalidade

Fábio de Mello Castanho, Portal Terra

PRETÓRIA - Assim como prometeu, Maradona foi com a "armadura preparada" para o jogo contra a Coreia do Sul, que acabou com goleada argentina por 4 a 1. Para defender seus craques, discutiu com o treinador rival Huh Jung-Moo a cada falta que considerou dura e reviveu a rivalidade que começou na Copa de 1986.

Na ocasião, o melhor jogador do mundo recebeu pancadas e saiu de campo irritado, especialmente com Moo. Depois, ironizou a "violência" sul-coreana, disse que os rivais lutavam "taekwondo" e que todos se chamavam "kung-fu", referindo-se às artes marciais de origem asiática.

Alguns sinais de que as cicatrizes do episódio ainda persistem aconteceu no primeiro tempo do jogo desta quinta-feira. Maradona se irritou a cada jogada mais dura dos sul-coreanos e não direcionava as reclamações para o árbitro, e sim para o treinador rival.

Gesticulando muito, Maradona pedia para Moo orientar seus jogadores a "bater menos". O sul-coreano pedia para o rival sentar-se no banco. Em determinado momento, os reservas da seleção asiática levantaram para ajudar o técnico na discussão.

Em alguns momentos, Maradona chegou a invadir o campo para reclamar de faltas, em postura semelhante à adotada na estreia contra a Nigéria. Nas entrevistas pré-jogo, o treinador tem pressionado a arbitragem para proteger seus atacantes.

E a tática tem dado certo. A arbitragem tem coibido lances mais duros contra os argentinos e, especificamente contra a Coreia do Sul, o trio Messi, Higuaín e Tevez brilhou, com um futebol envolvente que terminou em goleada no Soccer City. Gols que fizeram Maradona esquecer as reclamações no segundo tempo e vibrar como uma criança com o show de seus atacantes.