Outra greve: policiais são mobilizados em estádio do jogo do Brasil

JB Online

DA REDAÇÃO - Centenas de agentes de segurança entraram em greve nesta terça-feira, no estádio Ellis Park de Johannesburgo, antes da partida entre Brasil e Coreia do Norte. Os funcionários que fazem a segurança do estádio são empregados da empresa Stallion, a mesma que já teve parte de seu pessoal paralisado nos estádios de Durban e da Cidade do Cabo, nos últimos dois dias. Brasil e Coreia do Norte (grupo G) se enfrentam às 20h30 (15h30 de Brasília). A polícia já mobilizou 1.000 agentes no Ellis Park, para a partida.

"A empresa recebeu muito dinheiro da Fifa e nós, migalhas", declarou à AFP um dos grevistas, que pediu para não ser identificado. Não queremos que a polícia nos substitua", disse outro manifestante à agência.

Para impedir tumultos nos estádios da Cidade do Cabo e de Durban, a polícia assumiu o controle das operações até última ordem. Na última segunda-feira, guardas de seguranças responsáveis por evitar incidentes durante o jogo entre a Itália e o Paraguai, na Cidade do Cabo, entraram em greve e a polícia teve que assumir o controle.

"Não queremos que a polícia nos substitua", disse outro manifestante à agência.

Apesar das greves, um porta-voz do governo sul-africano afirmou que a polícia está preparada para assumir a vigilância dos estádios.

"Ativamos os planos adequados e necessários para diferentes estádios do país", explicou o comissário nacional Bheki Cele. "Somos otimistas sobre que garantiremos a segurança do torneio e cumpriremos com nossa atividad diária com normalidade", destacou.

No domingo, após a vitória da Alemanha sobre a Austrália (4 a 0), centenas funcionários do Estádio Moses Mabhida, em Durban, se envolveram em confusão com policiais. Os trabalhadores alegavam pagamento insuficiente por seus serviços.

Os funcionários começaram a protestar e foram contidos por policiais, que chegaram a usar gás lacrimogêneo, detonaram duas granadas e dispararam balas de borracha.

Com agência de notícia AFP