População lota as ruas de Joannesburgo para homenagear os

Natalia da Luz, JB Online

JOANNESBURGO - Na manhã desta quarta-feira, dois dias antes da estréia da seleção anfitriã da Copa do Mundo contra o México, dezenas de milhares de sul-africanos se reuniram para homenagear os Bafana Bafana. Esse é o nosso apoio! Nós estamos com eles e queremos mostrar isso antes de entrarem em campo , disse ao Jornal do Brasil Esnert Makhama, segurando uma placa de apoio à equipe sul-africana.

A carreata (e passeata) foi concentrada em Sandton, área nobre de Joanesburgo. Além da população, não poderiam faltar os representantes da seleção que chega à Copa em uma ótima fase, sem derrota nos últimos 12 jogos! Para um passeio de 20 minutos (que acabou durando uma hora, devido ao nó no trânsito), o técnico Carlos Alberto Parreira, e seis jogadores (entre eles o ídolo Thabalala) estiveram entre os aplaudidos. Não queríamos desgastar a equipe e por isso apenas uma pequena parte dela foi à carreata , justificou ao JB o auxiliar técnico Jairo Leal, lembrando que o treino do dia seria posterior à grande festa em Sandton.

Pela rua, manifestações com dança e o barulho de uma vuvuzela multiplicado por dezenas de milhares... Estamos festejando. Hoje é um dia para vestir a camisa dos Bafana Bafana. Você não viu na TV? , perguntou ao JB Esrnet, dizendo que só não vestiu a sua porque estava a trabalho.

Junto à bandeira do país do arco-íris (África do Sul), mexicanos exibiam seus chapéus e a camisa da seleção que será a primeira a enfrentar a anfitriã na Copa da África! Queremos que o México ganhe, mas isso não é rivalidade. Estamos aqui celebrando também com o povo que adora uma festa , disse o mexicano Manoel Allonzo Lara, ressaltando que ficou surpreso com o país da Copa, bem diferente do imaginário mexicano... Ouvíamos muitas coisas ruins e só aqui descobrimos que é outro país! É muito bonito e alegre , disse o torcedor que só vai embora na segunda fase da Copa, confiante com a classificação da seleção do seu país!

A festa nas ruas de um bairro majoritariamente branco (população que na África do Sul é mais adepta do rúgbi e cricket) serviu para provar que o apoio não vem apenas dos negros que amam o futebol, mas de quem tem sangue sul-africano! A seleção subiu na hora certa. Quando chegamos, os Bafana não tinham a confiança da população. Agora, vemos que todo o país, incluindo os brancos, estão extremamente positivos e confiantes no time , disse Jairo, ratificando a sua crença no sucesso da Copa do Mundo.