Gilberto Silva: o recado que a seleção quer dar é conquista do título

Agência AFP

JOHANNESBURGO - O volante Gilberto Silva, um dos mais experientes do grupo convocado pelo técnico Dunga e que superou na última segunda-feira o número de partidas de Pelé com a camisa da Seleção, destacou nesta quarta-feira, em uma entrevista coletiva, que o recado que os jogadores brasileiros querem dar na Copa do Mundo é a conquista do título.

"Nosso recado é querer ser campeão. A gente não veio aqui para brincar. Se eu falar que nós vamos ser os campeões, eu teria que ter uma bola de cristal; não posso falar isso, mas nossa vontade é, desde o começo do nosso trabalho, que começou há três anos e oito meses, chegar a este momento, chegar na final e ser campeão", afirmou

O jogador do Panathinaikos, campeão do mundo em 2002 e que também estava no Mundial de 2006, declarou ainda que a motivação para a terceira Copa do Mundo é a mesma, mas com mais maturidade.

"Tenho condições de contribuir muito com a experiência", disse o jogador, de 33 anos, que afirmou jamais ter ficado chateado com as críticas de que seria velho, e não experiente.

"Em momento algum fiquei chateado. Isso na verdade serviu de motivação. Pode ter certeza que a motivação com que chego a mais uma Copa, também devo isto a todas as críticas que recebi".

Com os amistosos contra o Zimbábue (3-0) e Tanzânia (5-1), Gilberto Silva chegou a 93 partidas com a camisa da seleção do Brasil, um jogo a mais que Pelé. Apesar de ter afirmado que não trabalha para bater recordes, o volante declarou sentir muito orgulho da marca.

Ao comentar a estreia do Brasil na Copa do Mundo, dia 15 de junho contra a Coreia do Norte em Johannesburgo, pelo Grupo G, o mineiro ressaltou que o principal problema será a ansiedade.

"A ansiedade para o primeiro jogo de Copa é muito grande. O importante é a forma como vamos começar", explicou.

Como o adversário é desconhecido, o cabeça de área afirmou que os jogadores assistiram o recente amistoso em que a Nigéria derrotou os norte-coreanos por 3-1, mas ele comentou não acreditar que os asiáticos jogarão da mesma forma, aberta, contra o Brasil.

Para ele, a responsabilidade é toda do Brasil e a Coreia do Norte deve jogar bastante recuada para tentar dificultar ao máximo.

Questionado pela imprensa, o jogador admitiu erros na saída de bola da seleção nos amistosos contra os adversários fracos dos últimos dias, mas também ressaltou que tanto Zimbábue como Tanzânia fizeram as partidas da vida contra o Brasil, atuando como franco-atiradores, o que não aconteceria em uma partida de Copa do Mundo.

Para Gilberto Silva, os próximos dias serão de polimento, para os ajustes finais do técnico Dunga.

Na tarde desta quarta-feira, os jogadores do Brasil devem fazer um treino físico no Hotel Fairway.