J´accuse, e as perseguições no Rio

Fernando Peregrino, Jornal do Brasil

RIO - No fim do século 19, em 1894, quase cem anos depois da Revolução Francesa, o capitão do Exército francês Alfred Dreyfus foi injustamente acusado e sumariamente condenado em processo rumoroso, que ficou conhecido na história das grandes injustiças praticadas por instituições do próprio Estado. Sua defesa, que terminou por absolvê-lo, ficou conhecida pelo célebre manifesto J´accuse , de Émile Zola.

Zola era um famoso escritor e ilustre republicano que, indignado, tomou a si a defesa do capitão contra as campanhas que lhe moviam a mídia e a cúpula de instituições públicas à época. O capitão Dreyfus havia sido vítima de uma conspiração do próprio Estado francês que forjou provas, acobertou os verdadeiros autores, induziu a mídia e os próprios tribunais a erros.

Emílio Zola defendeu o capitão injustiçado acusando frontalmente a todos que participaram da conspiração antirrepublicana. Sua carta J´accuse foi divulgada no jornal L´Aurore, de 13 de janeiro de 1898, e era endereçada a ninguém menos que o presidente da França, Félix Faure. Após desmontar uma a uma as acusações dos conspiradores, Zola escreve uma das mais belas e corajosas páginas em defesa de alguém que sequer conhecia pessoalmente:

Senhor presidente, (...) acuso o tenente-coronel Du Paty por ter sido o artífice diabólico do erro judiciário. (...) acuso o general Mercier de ter se tornado cúmplice, pelo menos por fraqueza de espírito, de uma das maiores iniquidades deste século. (...) Acuso o general Pellieux e o comandante Ravary de terem feito um inquérito criminoso com monstruosa parcialidade... de ingênua audácia, (...) acuso o Ministério da Guerra de ter conduzido a imprensa a uma campanha abominável para desencaminhar a opinião pública e encobrir seu próprio erro... acuso, enfim o primeiro Conselho de Guerra de ter, a partir de ordens superiores, acobertado essa ilegalidade. (...) Ao fazer esta acusação, não ignoro que eu me submeto aos artigos 30 e 31 da lei da imprensa de 1881, que pune por delitos de difamação. E é voluntariamente que me exponho. Quanto às pessoas que acuso... são para mim entidades, espíritos de maledicência social. E o ato que realizo aqui não é senão um meio revolucionário de apressar a eclosão da verdade e da justiça. Minha questão é somente uma, a da luz, em nome da humanidade que tanto sofreu e que tem direito à felicidade. Meu protesto inflamado não é senão o grito da minha alma. Que ousem, portanto, levar-me ao tribunal, e que o inquérito se realize em plena luz! Eu aguardo. Queira aceitar, senhor presidente, a certeza do meu profundo respeito. Émile Zola . (J´Accuse, a verdade em marcha, 2009).

Mais tarde, Alfred Dreyfus foi absolvido. A conspiração e os conspiradores foram descobertos. Ficou a lição da coragem de um homem que marcou a história. Qualquer semelhança com as injustiças e perseguições praticadas por instituições do estado do Rio de Janeiro deixo por conta da imaginação crítica do leitor. Os conspiradores vestirão a carapuça quando estiverem chegado aqui. As vítimas, mencionarei apenas três exemplos: os ex-governadores Brizola, Garotinho e Rosinha.

À França a história reservou a glória de ter sido precursora na luta pelo bem mais caro do homem: o direito sagrado de discordar. Ao Brasil de Tiradentes, e de outros heróis republicanos contemporâneos, o sacrifício em defesa das instituições democráticas, muitas delas infelizmente, conspurcadas por agentes políticos inescrupulosos.

Fernando Peregrino é mestre em engenharia de produção pela Coppe/UFRJ e presidente do Instituto Republicano.